terça-feira, 26 de maio de 2015

O QUE ENTENDEMOS E CREMOS SOBRE A VERDADEIRA IGREJA DE DEUS PARTE 2: AS DUAS TESTEMUNHAS DE APOCALIPSE 11, ESMIRNA E FILADÉLFIA.




Pr. Paulo David
Apocalipse 11
1 E FOI-ME dada uma cana semelhante a uma vara; e chegou o anjo, e disse: Levanta-te, e mede o templo de Deus, e o altar, e os que nele adoram.
2 E deixa o átrio que está fora do templo, e não o meças; porque foi dado às nações, e pisarão a cidade santa por quarenta e dois meses.
3 E darei poder às minhas duas testemunhas, e profetizarão por mil duzentos e sessenta dias, vestidas de saco.
4 Estas são as duas oliveiras e os dois castiçais que estão diante do Deus da terra.
5 E, se alguém lhes quiser fazer mal, fogo sairá da sua boca, e devorará os seus inimigos; e, se alguém lhes quiser fazer mal, importa que assim seja morto.
6 Estes têm poder para fechar o céu, para que não chova, nos dias da sua profecia; e têm poder sobre as águas para convertê-las em sangue, e para ferir a terra com toda a sorte de pragas, todas quantas vezes quiserem.
7 E, quando acabarem o seu testemunho, a besta que sobe do abismo lhes fará guerra, e os vencerá, e os matará.
8 E jazerão os seus corpos mortos na praça da grande cidade que espiritualmente se chama Sodoma e Egito, onde o seu Senhor também foi crucificado.
9 E homens de vários povos, e tribos, e línguas, e nações verão seus corpos mortos por três dias e meio, e não permitirão que os seus corpos mortos sejam postos em sepulcros.
10 E os que habitam na terra se regozijarão sobre eles, e se alegrarão, e mandarão presentes uns aos outros; porquanto estes dois profetas tinham atormentado os que habitam sobre a terra.
11 E depois daqueles três dias e meio o espírito de vida, vindo de Deus, entrou neles; e puseram-se sobre seus pés, e caiu grande temor sobre os que os viram.
12 E ouviram uma grande voz do céu, que lhes dizia: Subi para aqui. E subiram ao céu em uma nuvem; e os seus inimigos os viram.
13 E naquela mesma hora houve um grande terremoto, e caiu a décima parte da cidade, e no terremoto foram mortos sete mil homens; e os demais ficaram muito atemorizados, e deram glória ao Deus do céu.


Inicialmente, nesta visão, João recebera uma cana semelhante a uma vara e instrução do anjo para que medisse O TEMPLO DE DEUS, E O ALTAR E OS QUE NELE ADORAM, no entanto, o ÁTRIO QUE ESTAVA FORA DO TEMPLO, não deveria ser medido. A razão é que este fora dada às NAÇÕES, e estas PISARÍAM a CIDADE SANTA por QUARENTA E DOIS MESES.

A Verdadeira Igreja de Deus, nesta visão, aparece como sendo O TEMPLO DE DEUS, O ALTAR E OS QUE NELE ADORAM. É assim que Deus vê a sua IGREJA, o lugar da sua morada, o lugar de oração e adoração. No entanto, nesta visão, o Átrio, que ficava na parte exterior do Templo, mas que pertencia a sua estrutura, não deveria ser medido, pois seria pisado pelas nações, e isto, durante quarenta e duas semanas.
Isso nos revela o significado profético de inúmeras passagens no Novo Testamento, onde tanto Jesus como os apóstolos falaram sobre a apostasia que aconteceria no tempo do fim, onde homens não convertidos, representados nesta visão pelas “nações”, pisariam a cidade santa, ou seja, estariam aparentemente dentro da igreja, sem, contudo pertencerem espiritualmente a ela. Quarenta e dois meses são mil duzentos e sessenta dias, ou três anos e meio. Se utilizarmos o mesmo critério de interpretação que foi usado no livro de Daniel, onde dia representa anos, encontraremos mil duzentos e sessenta anos.
Não poderíamos precisar quando este período teria começado, se este tem sido contínuo ou intercalado, mas com certeza, estamos nos dias desta profecia.
O que sabemos é que, durante os dois mil e duzentos e sessenta anos, a Verdadeira Igreja de Deus profetizará. Nesta visão João vê a IGREJA representada por DUAS TESTEMUNHAS, que são as duas OLIVEIRAS e os dois CASTIÇAIS que estão diante do Deus da terra.
No início do livro de Apocalipse, nos capítulos 1 a 3 encontramos referências às cartas proféticas às sete igrejas da Ásia. Na visão de João estas igrejas aparecem como sendo os SETE CASTIÇAIS de ouro. O que nos chama a atenção é quer, dentre estas sete igrejas, apenas duas foram louvadas, e não repreendidas pelo Senhor, a primeira foi Esmirna, a igreja em tempo de perseguição, e a outra, Filadélfia, a igreja de pouca força, mas fiel. Estas duas igrejas aparecem aqui como as DUAS TESTEMUNHAS que profetizam durante este período de mil duzentos e sessenta dias, com pano de saco. Elas são também as duas OLIVEIRAS, uma referência ao VERDADEIRO ISRAEL DE DEUS, conforme encontramos em Romanos e Gálatas.  

Romanos 2:29 “Mas é judeu o que o é no interior, e circuncisão a que é do coração, no espírito, não na letra; cujo louvor não provém dos homens, mas de Deus.”

Gálatas 4:
22 Porque está escrito que Abraão teve dois filhos, um da escrava, e outro da livre.
23 Todavia, o que era da escrava nasceu segundo a carne, mas, o que era da livre, por promessa.
24 O que se entende por alegoria; porque estas são as duas alianças; uma, do monte Sinai, gerando filhos para a servidão, que é Agar.
25 Ora, esta Agar é Sinai, um monte da Arábia, que corresponde à Jerusalém que agora existe, pois é escrava com seus filhos.
26 Mas a Jerusalém que é de cima é livre; a qual é mãe de todos nós.
27 Porque está escrito: Alegra-te, estéril, que não dás à luz; Esforça-te e clama, tu que não estás de parto; Porque os filhos da solitária são mais do que os da que tem marido.
28 Mas nós, irmãos, somos filhos da promessa como Isaque.
29 Mas, como então aquele que era gerado segundo a carne perseguia o que o era segundo o Espírito, assim é também agora.
30 Mas que diz a Escritura? Lança fora a escrava e seu filho, porque de modo algum o filho da escrava herdará com o filho da livre.
31 De maneira que, irmãos, somos filhos, não da escrava, mas da livre.

Mesmo perseguida e com pouca força natural, estas igrejas profetizam com poder e autoridade. Nessa visão, encontramos também, uma referência ao ministério de Moisés e Elias. Para entendermos o significado disso é preciso lembrar, que MOISÉS e ELIAS, foram profetas enviados ao povo de Israel em circunstâncias distintas na história deste povo. Moisés foi enviado para libertar o povo de Deus da escravidão do Egito e leva-los à terra prometida, enquanto Elias foi enviado para trazer o povo de Deus, de volta à Deus, pois este havia  trocado Deus por “Baal”.  Isso nos traz luz sobre a natureza da profecia das duas testemunhas neste tempo de apostasia, onde o povo de Deus encontra-se CATIVO NO EGITO, O MUNDO ou no ENGANO DE BAAL, o FALSO EVANGELHO DA PROSPERIDADE. É por isso que essas duas Testemunhas profetizam vestidas de Pano de Saco, numa referência clara à PREGAÇÃO DE ARREPENDIMENTO E VOLTA AO SENHOR.

Apocalipse 11: 7-13
7 E, quando acabarem o seu testemunho, a besta que sobe do abismo lhes fará guerra, e os vencerá, e os matará.
8 E jazerão os seus corpos mortos na praça da grande cidade que espiritualmente se chama Sodoma e Egito, onde o seu Senhor também foi crucificado.
9 E homens de vários povos, e tribos, e línguas, e nações verão seus corpos mortos por três dias e meio, e não permitirão que os seus corpos mortos sejam postos em sepulcros.
10 E os que habitam na terra se regozijarão sobre eles, e se alegrarão, e mandarão presentes uns aos outros; porquanto estes dois profetas tinham atormentado os que habitam sobre a terra.
11 E depois daqueles três dias e meio o espírito de vida, vindo de Deus, entrou neles; e puseram-se sobre seus pés, e caiu grande temor sobre os que os viram.
12 E ouviram uma grande voz do céu, que lhes dizia: Subi para aqui. E subiram ao céu em uma nuvem; e os seus inimigos os viram.
13 E naquela mesma hora houve um grande terremoto, e caiu a décima parte da cidade, e no terremoto foram mortos sete mil homens; e os demais ficaram muito atemorizados, e deram glória ao Deus do céu.

Sim, durante o tempo da profecia, os ELEITOS DE DEUS serão libertos tanto da escravidão do mundo (Egito) quanto do engano dos falsos profetas (Baal), mas quando se completar o tempo da profecia, a besta que sobe do abismo fará guerra às duas testemunhas e as vencerá, e as matará.

Apocalipse 13: 1- 10
1 E EU pus-me sobre a areia do mar, e vi subir do mar uma besta que tinha sete cabeças e dez chifres, e sobre os seus chifres dez diademas, e sobre as suas cabeças um nome de blasfêmia.
2 E a besta que vi era semelhante ao leopardo, e os seus pés como os de urso, e a sua boca como a de leão; e o dragão deu-lhe o seu poder, e o seu trono, e grande poderio.
3 E vi uma das suas cabeças como ferida de morte, e a sua chaga mortal foi curada; e toda a terra se maravilhou após a besta.
4 E adoraram o dragão que deu à besta o seu poder; e adoraram a besta, dizendo: Quem é semelhante à besta? Quem poderá batalhar contra ela?
5 E foi-lhe dada uma boca, para proferir grandes coisas e blasfêmias; e deu-se-lhe poder para agir por quarenta e dois meses.
6 E abriu a sua boca em blasfêmias contra Deus, para blasfemar do seu nome, e do seu tabernáculo, e dos que habitam no céu.
7 E foi-lhe permitido fazer guerra aos santos, e vencê-los; e deu-se-lhe poder sobre toda a tribo, e língua, e nação.
8 E adoraram-na todos os que habitam sobre a terra, esses cujos nomes não estão escritos no livro da vida do Cordeiro que foi morto desde a fundação do mundo.
9 Se alguém tem ouvidos, ouça.
10 Se alguém leva em cativeiro, em cativeiro irá; se alguém matar à espada, necessário é que à espada seja morto. Aqui está a paciência e a fé dos santos.

Apocalipse 13:11- 18
 11 E vi subir da terra outra besta, e tinha dois chifres semelhantes aos de um cordeiro; e falava como o dragão.
12 E exerce todo o poder da primeira besta na sua presença, e faz que a terra e os que nela habitam adorem a primeira besta, cuja chaga mortal fora curada.
13 E faz grandes sinais, de maneira que até fogo faz descer do céu à terra, à vista dos homens.
14 E engana os que habitam na terra com sinais que lhe foi permitido que fizesse em presença da besta, dizendo aos que habitam na terra que fizessem uma imagem à besta que recebera a ferida da espada e vivia.
15 E foi-lhe concedido que desse espírito à imagem da besta, para que também a imagem da besta falasse, e fizesse que fossem mortos todos os que não adorassem a imagem da besta.
16 E faz que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e servos, lhes seja posto um sinal na sua mão direita, ou nas suas testas,
17 Para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tiver o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome.
18 Aqui há sabedoria. Aquele que tem entendimento, calcule o número da besta; porque é o número de um homem, e o seu número é seiscentos e sessenta e seis.

Tanto pela perseguição física quanto pela força do engano no mundo haverá um tempo em que a força que resta à igreja será apenas para sustenta-la até que o Senhor Venha.
Sim haverá um tempo em que CESSARÁ A PROFECIA.

Apocalipse 11:8-10
8 E jazerão os seus corpos mortos na praça da grande cidade que espiritualmente se chama Sodoma e Egito, onde o seu Senhor também foi crucificado.
9 E homens de vários povos, e tribos, e línguas, e nações verão seus corpos mortos por três dias e meio, e não permitirão que os seus corpos mortos sejam postos em sepulcros.
10 E os que habitam na terra se regozijarão sobre eles, e se alegrarão, e mandarão presentes uns aos outros; porquanto estes dois profetas tinham atormentado os que habitam sobre a terra.

De certa forma essa visão, se já não se cumpriu plenamente, está se cumprindo em nossos dias. O mundo religioso de hoje festejando com grande alegria os resultados da proclamação de um EVANGELHO SEM CRUZ, o crescimento de uma igreja RICA E PODEROSA, segundo o mundo, mas miserável, cega e nua segundo Deus. Neste sentido, OS CORPOS INSEPULTOS das duas testemunhas que jazem na praça da grande cidade, figurativamente apontam para o abandono do modelo apostólico, VIVO e ORGÂNICO de igreja e o triunfo do modelo ROMANO, INSTITUCIONALIZADO, MORTO e ORGANIZACIONAL do denominacionalismo, que se impõe como espiritual, e não sendo, segue anunciando um falso evangelho, um falso Deus, que mais parece o PAPAI NOEL, e que, em última instância, não fazem outra coisa a não ser alimentar o mercado da  fé, o sistema de trocas e busca de poder. É O EVANGELHO DA TROCA DE PRESENTES.

Lucas 18:8b “... Quando porém vier o Filho do homem, porventura achará fé na terra?“

Mateus 24:12 “E, por se multiplicar a iniquidade, o amor de muitos esfriará.”

 II Timóteo 4:3 “Porque virá tempo em que não suportarão a sã doutrina; mas, tendo comichão nos ouvidos, amontoarão para si doutores conforme as suas próprias concupiscências;”

Mateus 24: 24 “Porque surgirão falsos cristos e falsos profetas, e farão tão grandes sinais e prodígios que, se possível fora, enganariam até os escolhidos.”

I Timóteo 4:1 “MAS o Espírito expressamente diz que nos últimos tempos apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios;”

II Tessalonicenses 2:4 “O qual se opõe, e se levanta contra tudo o que se chama Deus, ou se adora; de sorte que se assentará, como Deus, no templo de Deus, querendo parecer Deus.”

Apocalipse 11: 11- 13

11 E depois daqueles três dias e meio o espírito de vida, vindo de Deus, entrou neles; e puseram-se sobre seus pés, e caiu grande temor sobre os que os viram.
12 E ouviram uma grande voz do céu, que lhes dizia: Subi para aqui. E subiram ao céu em uma nuvem; e os seus inimigos os viram.
13 E naquela mesma hora houve um grande terremoto, e caiu a décima parte da cidade, e no terremoto foram mortos sete mil homens; e os demais ficaram muito atemorizados, e deram glória ao Deus do céu.

Não temos ainda um entendimento claro sobre o quando, nem o como essa visão se cumprirá. Não sabemos até que ponto será a vitória da Besta sobre a Verdadeira Igreja de Deus. Mas pelo menos uma coisa sabemos, é de que será curto o período entre a derrota da Igreja e seu retorno triunfante. Três anos e meio, se o padrão de contagem do tempo continua aqui seguindo o modelo de Daniel.
Não é muito claro se os versículos 11 a 13 falam da volta de Cristo ou do retorno da igreja a sua posição ESPIRITUAL nos lugares celestiais em Cristo, ainda tendo um papel a cumprir na terra até o tempo do fim.

Apocalipse 2:29 “Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas.”

Nenhum comentário:

Postar um comentário