segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

NATAL É DEUS CONOSCO

Pr. Paulo David

Mateus 1:23
" Eis que a virgem conceberá, e dará à luz um filho, E chamá-lo-ão pelo nome de EMANUEL, Que traduzido é: Deus conosco."

E o único e verdadeiro Deus por amor de todos nós, esvaziou-se da sua gloria e entrou no tempo e no espaço como homem, tudo isso para nos trazer de volta para ele.
O céu se uniu a terra e o "Pai nosso que estás no céu" tornou-se homem neste mundo, e como homem foi chamado o filho de Deus, o salvador do mundo.
 João 1:14
" E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade."
Lucas 1:35
" E, respondendo o anjo, disse-lhe: Descerá sobre ti o Espírito Santo, e a virtude do Altíssimo te cobrirá com a sua sombra; por isso também o Santo, que de ti há de nascer, será chamado Filho de Deus."
João 3:13
"Ora, ninguém subiu ao céu, senão o que desceu do céu, o Filho do homem, que está no céu."
Apocalipse 15:4
" Quem te não temerá, ó Senhor, e não magnificará o teu nome? Porque só tu és santo; por isso todas as nações virão, e se prostrarão diante de ti, porque os teus juízos são manifestos."

Pelo fato do Senhor Deus ter vindo a terra como homem, muitos até hoje ficam confusos a respeito de Jesus e, não levando em conta, queles que não vêem em Jesus, nada além de um mero homem, existem aqueles que acreditam ser ele parte de uma divindade plural, para outros um ser criado com a substância divina, e outros o maior dos anjos, e ainda outros, o mais evoluído dos espíritos que esteve na terra.

Mas Jesus é infinitamente mais que tudo isso, Ele é o próprio Deus, o único Deus verdadeiro, o Jeová do velho Testamento, que subsiste eternamente como Deus nos céus, se manifesta como o Verbo e entrou no mundo como homem, e como homem, venceu o pecado, o mundo e satanás e nos resgatou pelo seu sangue.
Repito, O PAI DA ETERNIDADE, que se manifesta na criação como O VERBO, que entrou no mundo dos homens como homem, que hoje habita naqueles que crêem como ESPÍRITO SANTO.
Filipenses 2: 5-15
5 De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus,
6 Que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus,
7 Mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens;
8 E, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte, e morte de cruz.
9 Por isso, também Deus o exaltou soberanamente, e lhe deu um nome que é sobre todo o nome;
10 Para que ao nome de Jesus se dobre todo o joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra,
11 E toda a língua confesse que Jesus Cristo é o SENHOR, para glória de Deus Pai.
12 De sorte que, meus amados, assim como sempre obedecestes, não só na minha presença, mas muito mais agora na minha ausência, assim também operai a vossa salvação com temor e tremor;
13 Porque Deus é o que opera em vós tanto o querer como o efetuar, segundo a sua boa vontade.
Assim quando nos referimos a Deus o Pai, estamos falando de Jesus enquanto Deus e quando nos referimos ao filho de Deus estamos nos referindo a Jesus enquanto homem, o salvador.
Apocalipse 1:8
" Eu sou o Alfa e o Ômega, o princípio e o fim, diz o Senhor, que é, e que era, e que há de vir, o Todo-Poderoso."
João 14: 6-11
6 Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim.
7 Se vós me conhecêsseis a mim, também conheceríeis a meu Pai; e já desde agora o conheceis, e o tendes visto.
8 Disse-lhe Filipe: Senhor, mostra-nos o Pai, o que nos basta.
9 Disse-lhe Jesus: Estou há tanto tempo convosco, e não me tendes conhecido, Filipe? Quem me vê a mim vê o Pai; e como dizes tu: Mostra-nos o Pai?
10 Não crês tu que eu estou no Pai, e que o Pai está em mim? As palavras que eu vos digo não as digo de mim mesmo, mas o Pai, que está em mim, é quem faz as obras.
11 Crede-me que estou no Pai, e o Pai em mim; crede-me, ao menos, por causa das mesmas obras.

João 14:23
" Jesus respondeu, e disse-lhe: Se alguém me ama, guardará a minha palavra, e meu Pai o amará, e viremos para ele, e faremos nele morada."

Isaías 9:6
" Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu, e o principado está sobre os seus ombros, e se chamará o seu nome: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz."
FELIZ NATAL

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Meu Querido Inimigo



Pr. Paulo David- Voz da Verdade
Segundo as Escrituras, os filhos de Deus têm de enfrentar nesta vida três grandes inimigos, infelizmente o terceiro deles nos é muito querido, dificultando nossa luta contra esse inimigo. Mas antes de falarmos diretamente deste “querido inimigo”, vamos falar um pouco dos dois primeiros, cuja força em nossa vida vem do terceiro.
I- O Primeiro Inimigo: Aquele que quer nos tragar.
I Pedro 5:8  “Sede sóbrios; vigiai; porque o diabo, vosso adversário, anda em derredor, bramando como leão, buscando a quem possa tragar;”

O Primeiro destes obviamente é o próprio Satanás e se fosse pedido a cada cristão deste mundo que fizesse uma lista, enumerando os principais inimigos espirituais, este apareceria em todas elas ocupando o primeiro lugar. É por isso que este inimigo declarado, precisa agir com astúcia e sagacidade, de forma a não ser reconhecido em suas investidas. É assim desde o princípio.
Gênesis 3:1ª  “ ORA, a serpente era mais astuta que todas as alimárias do campo que o SENHOR Deus tinha feito. E esta disse à mulher: É assim que Deus disse:...?”
Esta passagem mostra como o inimigo nº 1, com grande astúcia, introduziu o pecado no mundo, apresentando-se no Éden sob o disfarce de uma serpente.
Isto nos revela no mínimo duas coisas sobre Satanás:
Primeiramente o fato de que ele nunca se apresenta como ele mesmo;
Segundo, que a mentira sempre tem sido sua estratégia de ataque.

João 8:44 B “... Ele foi homicida desde o princípio, e não se firmou na verdade, porque não há verdade nele. Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso, e pai da mentira.”

II- O Segundo Inimigo: Aquele que quer nos seduzir.

O Segundo inimigo está intimamente relacionado ao primeiro, pois deste recebeu todo o seu poder.
Apesar disso, ao contrário do inimigo nº 1, este outro inimigo, nem sempre é reconhecido como inimigo, pois se apresenta a nós de forma atraente e sedutora. Este inimigo é o MUNDO!
Jesus falando deste inimigo disse em João 15: 18-19:

18 Se o mundo vos odeia, sabei que, primeiro do que a vós, me odiou a mim.
19 Se vós fôsseis do mundo, o mundo amaria o que era seu, mas porque não sois do mundo, antes eu vos escolhi do mundo, por isso é que o mundo vos odeia.
Muitos dos filhos de Deus encontram-se de tal forma, entorpecidos e iludidos com as mentiras do mundo, que as palavras de Jesus declarando que: “o mundo vos odeia” parecem difíceis de aceitar. Assim a primeira parte do verso 19 que diz: “Se vós fôsseis do mundo, o mundo amaria o que era seu”, acaba se tornando um constrangedor sinal de apostasia a quem não se enquadra nesta realidade.
Ao lermos sobre a tentação de Jesus no deserto entendemos como o mundo, originalmente criado por Deus para o homem, veio a se tornar nosso inimigo?
Lucas 4:6
“E disse-lhe o diabo: Dar-te-ei a ti todo este poder e a sua glória; porque a mim me foi entregue, e dou-o a quem quero.”
Quando Adão, cedendo à tentação de Satanás, caiu em pecado, não foi apenas ele que caiu. Sua queda trouxe outras conseqüências. Uma delas foi que Adão acabou entregando o domínio deste mundo para Satanás.
Gênesis 1:26  “E disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança; e domine sobre os peixes do mar, e sobre as aves dos céus, e sobre o gado, e sobre toda a terra,....”
Assim o pecado entrou no mundo e contaminou todos os filhos de Adão, não por herança hereditária como ensinava Agostinho, pois o pecado foi uma transgressão moral e pessoal e não pode ser passado de pai para filho, mas a partir do pecado de Adão, o mundo foi contaminado, contaminando seus descendentes, e estes, os descendentes destes, chegando até nós.
Romanos 5:12  “Portanto, como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os homens por isso que todos pecaram.”
Não podemos esquecer que com o pecado,  o mundo deixaria de ser o resultado da criação Divina e passaria a ser d’agora em diante uma construção humana.
Apocalipse 13:4 “ E adoraram o dragão que deu à besta o seu poder; e adoraram a besta, dizendo: Quem é semelhante à besta? Quem poderá batalhar contra ela? “
Em apocalipse o Diabo que se apresenta em Gênesis como a serpente é nos apresentado no fim como o Dragão e o mundo é chamado de a “Besta”. Nesta passagem podemos ver claramente que o poder do mundo veio do Dragão, a antiga Serpente.
Isso concorda com as declarações de João em I Jo 2: 15-18:
15 Não ameis o mundo, nem o que no mundo há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele.
16 Porque tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não é do Pai, mas do mundo.
17 E o mundo passa, e a sua concupiscência; mas aquele que faz a vontade de Deus permanece para sempre.
18 Filhinhos, é já a última hora; e, como ouvistes que vem o anticristo, também agora muitos se têm feito anticristos, por onde conhecemos que é já a última hora.

João nos esclarece como o mundo se opõe a Deus e aos seus.
Isso acontece através da CONCUPISCÊNCIA, onde o ser é dominado por aquilo que cobiça. Existe no mundo contaminado pelo pecado uma força de atração que atua sobre a nossa natureza humana também contaminada pelo pecado deste mundo.
Essa força maligna atua sobre nossos olhos, sobre nossa carne e sobre nosso ego.

III-  O Terceiro Inimigo: Aquele que quer se exaltar.

Vamos recapitular o que vimos até aqui.
Vimos que os filhos de Deus têm de enfrentar três grandes inimigos. O primeiro é Satanás, conhecido por todos os cristãos como inimigo por excelência.
Vimos que por essa razão, Satanás se esconde por traz do mundo para, através deste, se opor ao cristão, pois é mais difícil identificar o mundo como inimigo, e nisso Satanás leva vantagem sobre muitos.
O mundo contaminado pelo pecado torna-se um ambiente de CONCUPISCÊNCIA, e esta por sua vez age pelos nossos olhos, pela nossa carne e acima de tudo pelo nosso EGO.
EGO, o nosso terceiro inimigo e o mais mortal deles.
O EGO, ao contrário de Satanás, que é um inimigo reconhecidamente mau, e do mundo, que com maior ou menor entendimento, se nos apresenta como enganoso, é sem sombra de dúvidas o mais perigoso e o mais mortal de todos os inimigos. Por quê? Por que talvez este inimigo seja aquele a quem nós mais amamos.
Quando Deus nos criou ele nos deu algo precioso, o nosso EGO. O EGO é o nosso “Eu mesmo”, é o que faz de homens e Anjos seres livres como Deus. Mas esta liberdade pode ser benção e maldição. No caso de Lúcifer, Anjo criado por Deus livre e bom, a exaltação de seu próprio EGO o levou a queda.
Chamamos a exaltação do EGO de EGOISMO, a essência do PECADO.
Isso faz do “EGO” um inimigo maior e mais perigoso que o próprio Satanás. Pois foi ele quem o derrubou.
Já pensaram sobre isso alguma vez? Satanás foi derrubado pelo seu próprio EGO.

IV-  A Cruz: Vitória contra Satanás, contra o mundo e contra um EGO exaltado.

João 12:31 “ Agora é o juízo deste mundo; agora será expulso o príncipe deste mundo.”

 João 16:33 “ Tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo.”

Marcos 8:34 “ E chamando a si a multidão, com os seus discípulos, disse-lhes: Se alguém quiser vir após mim, negue-se a si mesmo, e tome a sua cruz, e siga-me.”

Quando o Senhor Jesus venceu na cruz do calvário, a maldição do pecado foi quebrada, Satanás foi derrotado definitivamente e o mundo foi tomado de volta.
Cristo na cruz, incondicionalmente, pois fim ao poder do primeiro e do segundo inimigo.
Quero agora chamar a atenção de todos que lêem este artigo para a relação da cruz com o terceiro inimigo. Na CRUZ está o poder para vencer este que é o mais terrível dos inimigos, não se esqueça o EGO foi quem derrubou a Satanás.
Repito: Na cruz está o poder para vencer este inimigo. Mas diferentemente de Satanás e do Mundo, inimigos externos a nós mesmos, e que foram vencidos incondicionalmente pela cruz de Cristo, a vitória sobre o EGO exige de nós uma disposição de NEGARMOS A NÓS MESMOS, tomando a NOSSA CRUZ a cada dia.
Contraditoriamente o “EU MESMO” só pode ser vencido a partir de uma disposição de “EU MESMO” em tomar a cruz, e isso a cada dia.

Deus não quer destruir este inimigo e sim conquistá-lo para Ele, mas pouco pode fazer na vida daquele que, acariciando a si mesmo, continua a tratar seu EGO exaltado como: “meu querido inimigo”.









segunda-feira, 22 de outubro de 2012

TEMPO E ETERNIDADE, HOMEM E DEUS



Pr. Paulo David

Você sabia?
Que Deus, o Pai, saiu de si mesmo e esvaziando-se de sua glória, saiu da eternidade e entrou no tempo, tornando-se homem em Jesus?
Que JESUS foi chamado o Filho de Deus, porque de Deus saiu?
Que na condição humana, Jesus fez como fez o Pai, saiu de si mesmo e esvaziando-se se fez servo, derramando sua vida na cruz para a nossa salvação?
 Que depois disso, Deus O pai o ressuscitou, e o revestiu de glória, a glória que na eternidade a ele pertencia como Deus, e que agora, no tempo, como homem, a ele fora dada como coroa da vitória?
Que por isso, JESUS revestido de glória, pode derramar sobre nós o seu Espírito e nos fazer mais que vencedores?
Que o Espírito Santo de quem a bíblia fala é o Espírito de Cristo?
Que Jesus e O Pai são um só e a mesma pessoa na eternidade, pois Deus é um só, e a diferença que vemos nas escrituras entre eles é a diferença de tempo e eternidade, homem e Deus?
Que a criação de todas as coisas e o início do tempo estão relacionados?
Que Deus habita a eternidade e que nem o tempo nem a criação podem conte-lo?
Que Deus se manifesta na criação e no tempo pela sua Palavra, o Lógos, o Verbo?
Que o Verbo não é uma outra pessoa divina e sim a manifestação do único Deus, na criação e no tempo?
Que o Espírito de Deus não é uma terceira e outra pessoa divina e sim que é o Espírito de Deus, pois “Espírito”diz respeito ao que Ele é, e “de Deus” diz respeito de quem Ele é?
Que as Escrituras não são A PALAVRA DE DEUS e sim a revelação verdadeira e infalível desta?
Que as Escrituras falam tanto do LIVRE ARBÍTRIO quanto da ELEIÇÃO e PREDESTINAÇÃO?
Que é tudo uma questão de TEMPO E ETERNIDADE, do HOMEM e de DEUS.

João 1:1 [3]
“ NO princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus.”

Filipenses 2: 5-11
5 De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus,
6 Que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus,
7 Mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens;
8 E, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte, e morte de cruz.
9 Por isso, também Deus o exaltou soberanamente, e lhe deu um nome que é sobre todo o nome;
10 Para que ao nome de Jesus se dobre todo o joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra,
11 E toda a língua confesse que Jesus Cristo é o SENHOR, para glória de Deus Pai.

I Timóteo 3:16
“ E, sem dúvida alguma, grande é o mistério da piedade: Deus se manifestou em carne, foi justificado no Espírito, visto dos anjos, pregado aos gentios, crido no mundo, recebido acima na glória.” 
Apocalipse 1:8
“ Eu sou o Alfa e o Ômega, o princípio e o fim, diz o Senhor, que é, e que era, e que há de vir, o Todo-Poderoso.”






segunda-feira, 16 de julho de 2012

Missões e Adoração: O espírito de Absalão

Missões e Adoração: O espírito de Absalão: O Pilar de Absalão - Jerusalém Neste mês de abril resgatarei alguns estudos para células que fiz para a minha ex-igreja nos idos de 2004-...

sábado, 14 de julho de 2012

JESUS: A PORTA ABERTA PARA O AMOR


Pr. Paulo David
Sabe do que me lembrei hoje cedo? Daquela antiga propaganda da OI, aquela das pessoas algemadas cantando: “Quem ama bloqueia” era muito engraçada, mas ao mesmo tempo, desconcertante, pois para muitos de nós, amar é bloquear.  Definitivamente e urgentemente precisamos  aprender a amar, e para isso precisamos entender, e isso é o mais difícil em qualquer relação, que não somos donos daqueles a quem amamos.  Não sabendo disso muitos perdem metade de suas vidas arruinadas pelos pais e a outra metade arruinada pelos  filhos. Casamentos tornam-se o meio mais eficaz de ruína mútua, não sendo o divórcio o remédio para esta doença, mas o  estado terminal dos envolvidos.   Essa semana li algo no face que me chamou a atenção, dizia assim: “O que segura o boi no pasto é o capim e não a cerca”. Essa é uma grande verdade mas contraditoriamente associamos amar à cercar, maridos e esposas, quando não estão criando cercas para “proteger” os seus companheiros, estão criando outras em torno de si mesmos para se proteger de seus companheiros, pais criam cercas para a proteção dos filhos, pastores criam cercas para protegerem suas ovelhas e por aí vai. Ignoramos  que quando criamos cercas criamos inconscientemente em nós e naqueles a quem  amamos a ilusão de que a liberdade está do lado de fora da cerca, e o pior é que num certo sentido parece estar mesmo.  Até o capim do lado de fora começa parecer melhor. Assim maridos saem de casa, esposas abandonam o lar, filhos se rebelam, fugindo pelas drogas da droga da vida deles , ovelhas perambulam pelas igrejas ou não querem mais ir a nenhuma delas, deixando o capim por causa da cerca ou trocando o pastor pelo lobo. Nessa ora muitos acham que o problema era a cerca que era fraca. Maridos e mulheres acusam-se mutuamente, pais desesperados mandam os filhos para a escola e cobram uma educação que funcione como cercamento. Assim todos vamos, gradativamente, nos tornando de alguma forma especialistas em construir e pular cercas. Filósofos e religiosos teorizam sobre a construção de cercas mais eficazes, Marx conclama: “Trabalhadores do mundo todo uní-vos para derrubar a cerca... e fazermos outra é claro”, a igreja, por sua vez, passa a inventar novas cercas ou tenta restaurar antigas ameaçando aqueles que a ultrapassam com a perda da benção ou mesmo o fogo do inferno, que para muitos ainda funciona como cerca. Os espiritualistas afirmam que a cerca é o nosso carma e se resignam, os muçulmanos acusam os Estados Unidos e Israel por todas as cercas  e assim cercam seu povo da cerca americana, o congresso nacional conclui que a culpa é do Cachoeira e o cerca na prisão e assim as cercas que nos sufocam continuam e a vida se deteriora sem amor.
Mas Jesus nos ensinou dizendo em João 10:9:
“Eu sou a porta; se alguém entrar por mim, salvar-se-á, e entrará, e sairá, e achará pastagens.”
Jesus não é a cerca, ele é a porta e uma porta aberta. O amor é isso: Uma porta aberta! Ficamos por que queremos ficar, não só pelo pasto, mas principalmente pelo pastor que é Jesus! Precisamos conhecê-lo! Precisamos saber o que é amar!
E isso só é possível entrando pela porta que é JESUS e deixando que ele nos ensine e nos alimente com sua Palavra.

Isso vale para o casamento, isso vale para a família.
Só assim aprenderemos a ser irmãos.


sexta-feira, 13 de julho de 2012

Aniversário da Igreja

No dia 28 de Julho próximo nossa igreja estará comemorando 5 anos anunciando a Mensagem de Jesus o Único Deus. Esta obra começou por uma palavra do Senhor implantada no coração do Pr. Paulo e Pra. Mel David durante um Show da Banda do Ministério Voz da Verdade aqui em Rio Verde em 2007. Venha comemorar conosco, o culto de Ações de Graça  será as 19:30 hs.

A ENCARNAÇÃO: A Chave para entendermos o mistério do Deus Único

Pelp Pr. Paulo David
Deuteronômio 6:4
“Ouve, Israel, o SENHOR nosso Deus é o único SENHOR.”
Aqueles que professam crer na doutrina da trindade, diante desta passagem, tentam explicar que este “único” refere-se à substância divina e não necessariamente a pessoa, mas afirmar que Deus é um em substância e não em pessoa faz Dele um único Deus? Era assim que os patriarcas e profetas do velho testamento entendiam esta passagem? E principalmente, eram assim que os apóstolos acreditavam?
O que realmente essa passagem quer nos ensinar sobre Deus?
Proponho aqui dois princípios simples de interpretação das escrituras, o primeiro é o sentido literal, ou seja, as escrituras querem nos dizer o que ela nos está dizendo, e o segundo é o de que as escrituras interpretem as escrituras.
 Assim pelo primeiro princípio, quando a bíblia afirma que Deus é um só ela quer dizer exatamente isso, que só há um ser divino em natureza, pessoa e substância, único e indivisível. Portanto a unicidade de Deus não pode ser entendida apenas em termos de substância como afirma a doutrina da trindade desenvolvida com a formação da igreja católica romana e que a reforma nunca questionou como também não o fez como inúmeros outros dogmas tais como o batismo infantil, mantidos até hoje por muitas igrejas ditas evangélicas.
O mais curioso neste assunto é o fato de que os que defendem a doutrina de um Deus formado por três pessoas distintas citam teólogos e concílios católicos e os colocam ao mesmo nível de autoridade dos apóstolos e das escrituras, e muitas vezes, até acima destes, tachando de hereges ou pseudo-cristãos aqueles que interpretam as escrituras só com as escrituras.
É raro um trinitariano defender a sua doutrina só com as escrituras sem ter que recorrer aqueles que eles chamam “pais da igreja” ou aos “documentos históricos”. Bom até onde eu entendo se a igreja tem pais terrenos, “eu disse se”, estes seriam os apóstolos da bíblia, e a única fonte histórica para qualquer verdade espiritual é a própria Bíblia.
Mas será que, segundo as escrituras, a única maneira de diferenciarmos o Pai do Filho é vê-los como pessoas distintas dentro da divindade? Não poderia Deus enquanto em sua NATUREZA DIVINA, imarcescível, eterna, infinita, onisciente, onipresente e onipotente ser assim chamado de PAI e por ocasião da encarnação, ao assumir uma natureza humana, ser aquele que a bíblia chama de FILHO? Dessa maneira não teríamos de fato um único Deus que veio ao mundo assumindo uma natureza humana. Não é isso que afirma as escrituras:
João 3:13
“ Ora, ninguém subiu ao céu, senão o que desceu do céu, o Filho do homem, que está no céu.
Aqui Jesus afirma, falando de si mesmo, duas verdades esclarecedoras, uma é que ele desceu do céu, falando da sua encarnação, a outra, que pode ter parecido estranho para seus ouvintes, e parece ainda ser para muitos, era que  ele estava no céu, o que só teria sentido se estivesse falando de  sua condição Eterna e Divina, ou alguém acredita que Jesus deixou de ser Deus por ocasião da encarnação?
Isso nos leva a outra consideração: Se Jesus é Deus, e este, na encarnação, assumiu a natureza humana, sem, contudo deixar de ser Deus, e nem que  sua natureza divina tenha se misturado a sua natureza humana,  não seria incorreto entender que a encarnação fez com que estas naturezas fossem substancialmente separadas, o que concordaria com uma interpretação literal desta escritura.
Isso explicaria, entre outras coisas, a necessidade de orar e ouvir o Pai.
Por ocasião da encarnação Deus de fato assumiu uma condição humana. Jesus tinha corpo, alma e espírito humano, tinha mente e limitações humanas, portanto, nesta condição, estava limitado e totalmente dependente do Pai. Por causa da encarnação as duas naturezas não se misturavam, caso contrário Jesus não seria de fato humano. Mas e as curas, os milagres, os feitos e conhecimentos sobrenaturais?
Jesus mesmo nos dá a resposta;
João 14:10
“ Não crês tu que eu estou no Pai, e que o Pai está em mim? As palavras que eu vos digo não as digo de mim mesmo, mas o Pai, que está em mim, é quem faz as obras.”
A maioria dos cristão crê nas duas naturezas de Cristo, a dificuldade é entender como elas se relacionavam. A resposta está numa correta compreensão da encarnação.
Em nenhum lugar das escrituras encontramos a expressão DEUS FILHO e sim o filho de Deus. Como vimos o próprio Jesus, em sua condição humana, afirmava sua total dependência do poder do Pai.
Mateus 19:17A
17 E ele disse-lhe: Por que me chamas bom? Não há bom senão um só, que é Deus.
Se cremos que Jesus é Deus, essa escritura só faz sentido se a distinção entre pai e Filho for de natureza e não de pessoa.
Agora examinemos outra escritura utilizada pelos defensores da doutrina da trindade:
E João 1:1?
1”No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus.”
Se Deus é uma só pessoa por que nesta escritura encontramos que  o VERBO estava com Deus?
Bom aqui temos o desenvolvimento de um pensamento que começa com “No princípio era o Verbo”. A que princípio a bíblia se refere? Ao princípio de todas as coisas criadas. O pensamento termina com a declaração clara e solene que “o verbo era Deus”. Para quem crê que só existe um único Deus como pessoa, o verbo é esse Deus. Mas então por que João diz: “o verbo estava com Deus”?  Para responder a esta pergunta sem ferir as escrituras sobre a verdade de um único Deus, temos que entender um pouco mais sobre a natureza do Pai. Uma das poucas escrituras do velho testamento que se refere a Deus como o Pai, o chama de PAI DA ETERNIDADE, mas este título é atribuído a JESUS em Isaías 9:6:
“Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu, e o principado está sobre os seus ombros, e se chamará o seu nome: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz.”
O título de Pai nas escrituras é atribuído a Deus enquanto Deus possuidor de exclusivos e infinitos atributos, tais como eterno, infinito e imarcescível. Deus em seu estado divino. Isto posto, podemos então entender a relação entre o Pai e o Verbo. Vamos usar como exemplo a relação entre o Sol e a luz.  Assim como a luz emana do sol, o VERBO emana do pai sem ser outra pessoa distinta mas antes a manifestação deste no princípio. É o próprio Deus manifesto na criação, é Deus no princípio. Note que a bíblia ao se referir à eternidade, antes do princípio, só menciona o Pai da Eternidade. Ao contrário do que afirmam as Testemunhas de Jeová, que Jesus seria o princípio da criação de Deus, a primeira criatura, ou do que afirmam certos judeus messiânicos, que Jesus seria feito da substância divina, uma espécie de molde da criação, o que as escrituras afirmam nesta passagem é que JESUS é o próprio Deus ( o verbo era Deus) manifesto no princípio da criação. Não uma  segunda e outra pessoa da divindade, mas o único Deus- manifesto. O Logus, o Deus criador:
João 1:3
“Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez.”
A bíblia se interpreta com a bíblia:
 Hebreus 1:1-3
“1 HAVENDO Deus antigamente falado muitas vezes, e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, a nós falou-nos nestes últimos dias pelo Filho,
2 A quem constituiu herdeiro de tudo, por quem fez também o mundo.
3 O qual, sendo o resplendor da sua glória, e a expressa imagem da sua pessoa, e sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder, havendo feito por si mesmo a purificação dos nossos pecados, assentou-se à destra da majestade nas alturas;”
Note aqui de forma bem clara que o livro de hebreus refere-se a JESUS como a expressa imagem da PESSOA DE DEUS e não como uma outra pessoa da divindade. Assim vemos claramente que em termos de natureza o filho não é o Pai, mas a encarnação da pessoa de Deus, que em termos de manifestação o VERBO não é o Pai, e sim a manifestação deste, mas que em ambos os casos estamos falando da MESMA E ÚNICA PESSOA DIVINA.
Uma correta e bíblica compreensão da encarnação pode ser a chave para entendermos o mistério da Divindade revelado nas escrituras, como o mistério da piedade:
I Timóteo 3:16
“E, sem dúvida alguma, grande é o mistério da piedade: Deus se manifestou em carne, foi justificado no Espírito, visto dos anjos, pregado aos gentios, crido no mundo, recebido acima na glória.”
Aqui as escrituras revelam de forma clara que foi Deus quem se manifestou em carne, o próprio Deus, o único Deus.
Para os que acreditam e ensinam que foi só a segunda pessoa da trindade que tornou-se homem vai aí outra escritura:
Colossenses 2:9
“ Porque nele habita corporalmente toda a plenitude da divindade;”
A passagem de I Timóteo 3:16 nos revelam não apenas que o Único Deus se manifestou em carne mas que depois de realizar nossa salvação ele foi recebido na glória. Na glorificação de Jesus como homem O Pai e o filho foram unidos de uma forma tal que a natureza humana de Jesus foi revestida da natureza do Pai. Jesus não voltou a condição anterior à encarnação, Deus não deixou sua natureza humana, mas antes a revestiu com sua natureza divina. Assim e só assim Ele pôde nos dar o Seu Espírito.
João 16:7
Todavia digo-vos a verdade, que vos convém que eu vá; porque, se eu não for, o Consolador não virá a vós; mas, quando eu for, vo-lo enviarei. “
João 14:16-20
16 E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Consolador, para que fique convosco para sempre;
17 O Espírito de verdade, que o mundo não pode receber, porque não o vê nem o conhece; mas vós o conheceis, porque habita convosco, e estará em vós.
18 Não vos deixarei órfãos; voltarei para vós.
19 Ainda um pouco, e o mundo não me verá mais, mas vós me vereis; porque eu vivo, e vós vivereis.
20 Naquele dia conhecereis que estou em meu Pai, e vós em mim, e eu em vós.
21 Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda esse é o que me ama; e aquele que me ama será amado de meu Pai, e eu o amarei, e me manifestarei a ele.
22 Disse-lhe Judas ( não o Iscariotes ): SENHOR, de onde vem que te hás de manifestar a nós, e não ao mundo?
23 Jesus respondeu, e disse-lhe: Se alguém me ama, guardará a minha palavra, e meu Pai o amará, e viremos para ele, e faremos nele morada.
As escrituras deixam claro que o Espírito Santo não é outra pessoa na divindade e sim o Espírito de Jesus Glorificado. Deus em nós, o eterno propósito da criação.