domingo, 16 de abril de 2017

"MAIS BEM-AVENTURADA COISA É DAR DO QUE RECEBER"

Paulo David
Atos 35: 29 Porque eu sei isto que, depois da minha partida, entrarão no meio de vós lobos cruéis, que não pouparão ao rebanho; 30 E que de entre vós mesmos se levantarão homens que falarão coisas perversas, para atraírem os discípulos após si.
31 Portanto, vigiai, lembrando-vos de que durante três anos, não cessei, noite e dia, de admoestar com lágrimas a cada um de vós.
32 Agora, pois, irmãos, encomendo-vos a Deus e à palavra da sua graça; a ele que é poderoso para vos edificar e dar herança entre todos os santificados. 33 De ninguém cobicei a prata, nem o ouro, nem o vestuário. 34 Sim, vós mesmos sabeis que para o que me era necessário a mim, e aos que estão comigo, estas mãos me serviram. 35 Tenho-vos mostrado em tudo que, trabalhando assim, é necessário auxiliar os enfermos, e recordar as palavras do Senhor Jesus, que disse: Mais bem-aventurada coisa é dar do que receber.
...Todos devemos contribuir financeiramente para suprir as necessidades da obra de Deus, sim todos devemos contribuir, mas contribuir com a obra de Deus é uma coisa, e ser manipulado por homens, que nos tornam devedores, aprisionado-nos a um mandamento, descontextualizado do Velho Testamento, é outra coisa bem diferente. É, eu estou me referindo ao dízimo, ressuscitado da Velha Aliança, e que se tornou, juntamente com as campanhas e ofertas tiradas destas, a base de sustentação econômica de grandes empresas religiosas, que se apresentam a nós com o nome, ou melhor, os nomes de "igrejas". Mas se formos ao Velho Testamento com olhos do Novo testamento, veremos que o dízimo, como era praticado na lei de Moisés, veio a se tornar parte das ordenanças do velho pacto, por ser necessário para o sustento de sacerdotes e de levitas, que haviam sido separados dos demais homens para cuidarem das coisas sagradas e conduzir o culto e as ordenanças do antigo templo, feito de pedras, por mãos humanas. Na nova aliança, no tempo da graça, o próprio templo de pedras já não existe mais, muito menos, coisas sagradas de ouro ou de prata, feitas pelas mãos dos homens, pois Cristo, ao ressuscitar e ser glorificado, pôde derramar sobre nós o seu Espírito, estabelecendo para Deus um novo templo, não feito de pedras, não feito por mãos humanas, um templo segundo o propósito eterno de Deus, o coração do homem. Assim um novo sacerdócio foi estabelecido, iniciado por Cristo, segundo a ordem de Melquisedeque, e que passou a ser universal, estendido a todos os filhos de Deus. Por isso todos aqueles que verdadeiramente servem aos homens, alvo do amor de Deus, servem o verdadeiro templo de Deus, as verdadeiras coisas sagradas. Estes, que assim o fazem, devem faze-lo de graça, esperando e confiando na graça de Deus e não no mandamento da lei. Ora tudo o que se faz de errado nesse assunto de modo algum pode ser usado como desculpas para não contribuirmos com a verdadeira obra de Deus, pois nós que fazemos parte do povo de Deus, não podemos esquecer, que quando nos entregamos ao Senhor Jesus, entregamos tudo o que somos e tudo o que temos, essa entrega, não foi uma entrega de dez por cento, ou trinta ou cinquenta ou noventa e nove por cento, mas cem por cento, tudo o que somos e temos pertencem a Ele, e se de fato cremos assim, e se somos guiados pelo seu Espírito, e não pela lei, sempre que surgir uma necessidade a ser suprida, estaremos dispostos a contribuir, quer seja individualmente ou coletivamente, quer seja com pessoas necessitadas, viuvas, órfãos, quer seja com aqueles que um dia deixaram o conforto e a segurança de seus lares, para anunciar o evangelho das boas novas da salvação em lugares distantes, pois contribuir, partilhar, repartir, ou simplesmente dar a quem nos pede, são manifestações do amor de Deus e da presença do Espírito de Cristo em nossos corações.

E SERÃO OS DOIS COMO UM SÓ...SÓ EM CRISTO ISSO TORNOU-SE POSSÍVEL! OU RESPONDENDO A SIMONE DE BEAUVOIR...


Paulo David
"Por isso, deixa o homem pai e mãe e se une à sua mulher, tornando-se os dois uma só carne.
Gênesis 2:24"...."E à mulher disse: Multiplicarei sobremodo os sofrimentos da tua gravidez; em meio de dores darás à luz filhos; o teu desejo será para o teu marido, e ele te governará Gênesis 3:16...Entre Gênesis 2:24 e Gênesis 3:16, o pecado entrou na história humana, e este, impediría temporariamente, o plano e o propósito perfeito de Deus, o de homens e mulheres se unirem e serem como "um só". Por isso a lei foi dada, em função da dureza do coração dos homens, homens e mulheres, impossibilitados por causa do pecado, de serem unidos e guiados pelo Espírito de Deus. No tempo da lei, esta, passou a ordenar a relação entre homem e mulher, tendo por base desta relação, a submissão da mulher em relação ao homem. Agora no tempo da graça, fomos libertos por Cristo da lei do pecado, e consequentemente da própria lei, que nos foi dada por causa do pecado. Sim, Jesus na cruz restaurou todas as coisas, o plano e propósito eterno de Deus, habitar no coração de homens e mulheres, que em Cristo, tornam-se um só, caminhando juntos, lado a lado, "sujeitando-vos uns aos outros no temor de Cristo". Efésios 5:21. "Eis por que deixará o homem a seu pai e a sua mãe e se unirá à sua mulher, e se tornarão os dois uma só carne". Efésios 5:31. "Grande é este mistério, mas eu me refiro a Cristo e à igreja". Efésios 5:32. Infelizmente a Sra de Jean Paul Sartre não conheceu a Jesus e sua graça, só conheceu a religião, e esta por sua vez, é escrava e escravizante, pois encontra-se por natureza debaixo da lei, sendo por isso incapaz de revelar ao mundo o que significa ser livre, muito menos que o significa ser um só.

domingo, 9 de abril de 2017

Quem é o meu próximo?




Paulo David

Mateus 22: 36 Mestre, qual é o grande mandamento na lei? 37 E Jesus disse-lhe: Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento. 38 Este é o primeiro e grande mandamento. 39 E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. 40 Destes dois mandamentos dependem toda a lei e os profetas.
Mas quem é o nosso próximo?
Durante muito tempo eu entendia essa questão do próximo como sendo todas as pessoas, as estavam perto e as que estavam longe. Hoje entendo que o próximo não é aquele que está nem muito menos aqueles que estão perto. O próximo é aquele que dele nos aproximamos.
Marcos 16:15 “E disse-lhes: Ide (indo) por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura”
Em nenhum lugar do novo testamento é dito que as pessoas precisam vir para ouvir o evangelho. Jesus disse “vinde a mim os que estão cansados e sobrecarregados”, mas também disse que devemos ir e fazer discípulos. Fazer discípulos é se aproximar daqueles que estão perto de nós mas distantes de Cristo assim como Jesus se aproximou de nós ao vir a esse mundo como homem e ter morrido na cruz para aproximar-nos de Deus, seu Pai..
Mas porque é tão difícil nos aproximarmos das pessoas?
“É mais fácil amar os que estão distantes que amar os que estão próximos”
Por que? Porque, quando nos aproximamos das pessoas passamos a conhece-las e sermos conhecidos por elas, e é difícil amar as pessoas quando conhecemos seus pecados e suas imperfeições, é mais fácil jogar pedras que anunciar as boas novas de perdão e salvação.
A RELIGIÃO SÓ CONSEGUE ANUNCIAR O JUÍZO AOS PECADORES!
Por outro lado, não queremos que as pessoas nos conheçam e conheçam nossas falhas e imperfeições. Em nossa religiosidade tendemos a mostrar que somos aquilo que realmente não somos. Como os Fariseus do tempo de jesus, nós nos escondemos numa capa de “santidade” religiosa, e isso nos distancia ainda mais daqueles que deveríamos nos aproximar.
João 13:14 “Ora, se eu, Senhor e Mestre, vos lavei os pés, vós deveis também lavar os pés uns aos outros”.
Nessa passagem Jesus fala de aproximação. Deixar lavar os pés é andar em humildade, é deixar que os outros nos conheçam, conheçam nossas falhas e imperfeições. Ser Igreja é nos aproximar e deixar que os outros se aproximem;
Talvez seja por isso que muitos procuram “igrejas” onde tenha muita gente e os relacionamentos sejam mais distantes e superficiais;
Mateus 22: 39 “E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo”.
“O amor que temos para com o outro é proporcional à consciência que temos do amor de Deus por nós.”
Lucas 7: 36 E rogou-lhe um dos fariseus que comesse com ele; e, entrando em casa do fariseu, assentou-se à mesa. 37 E eis que uma mulher da cidade, uma pecadora, sabendo que ele estava à mesa em casa do fariseu, levou um vaso de alabastro com unguento; 38 E, estando por detrás, aos seus pés, chorando, começou a regar-lhe os pés com lágrimas, e enxugava-lhos com os cabelos da sua cabeça; e beijava-lhe os pés, e ungia-lhos com o unguento. 39 Quando isto viu o fariseu que o tinha convidado, falava consigo, dizendo: Se este fora profeta, bem saberia quem e qual é a mulher que lhe tocou, pois é uma pecadora. 40 E respondendo, Jesus disse-lhe: Simão, uma coisa tenho a dizer-te. E ele disse: Dize-a, Mestre. 41 Um certo credor tinha dois devedores: um devia-lhe quinhentos dinheiros, e outro cinquenta. 42 E, não tendo eles com que pagar, perdoou-lhes a ambos. Dize, pois, qual deles o amará mais?
43 E Simão, respondendo, disse: Tenho para mim que é aquele a quem mais perdoou. E ele lhe disse: Julgaste bem. 44 E, voltando-se para a mulher, disse a Simão: Vês tu esta mulher? Entrei em tua casa, e não me deste água para os pés; mas esta regou-me os pés com lágrimas, e mos enxugou com os seus cabelos. 45 Não me deste ósculo, mas esta, desde que entrou, não tem cessado de me beijar os pés. 46 Não me ungiste a cabeça com óleo, mas esta ungiu-me os pés com unguento. 47 Por isso te digo que os seus muitos pecados lhe são perdoados, porque muito amou; mas aquele a quem pouco é perdoado pouco ama. 48 E disse-lhe a ela: Os teus pecados te são perdoados. 49 E os que estavam à mesa começaram a dizer entre si: Quem é este, que até perdoa pecados? 50 E disse à mulher: A tua fé te salvou; vai-te em paz.
Essa passagem nos revela que o amor e o perdão, que nos leva a nos aproximarmos dos outros, é proporcional ao amor e perdão que recebemos de Deus e a proximidade que temos dele.
“PRECISAMOS NOS APROXIMAR DE DEUS PARA NOS APROXIMAR MAIS DOS HOMENS”
Tiago 4:8ª “Chegai-vos a Deus, e ele se chegará a vós”.

quinta-feira, 6 de abril de 2017

A IGREJA É SIMPLESMENTE O ENCONTRO COM O OUTRO.


Paulo David
Você, assim como eu, já deve ter ouvido a seguinte declaração: "Eu sou a Igreja"! Mas poderia um indivíduo ser a Igreja? Existe tal ideia no Novo Testamento? Muito pelo contrário, a Igreja, a qual Jesus e os apóstolos se referiram , não sou eu, ou você, ou qualquer outro indivíduo, a Igreja SOMOS NÓS! Ela não existe para exaltação de egos ou para promoção de individualismos, do mesmo modo, ela também não pertence a indivíduos nem a coletividades, não é minha, não é sua, nem tão pouco nossa, ela é de Cristo. A igreja não nasceu da vontade humana, nem individual, nem coletiva, não é uma sociedade limitada, nem sociedade anônima, não tem sede, nem CNPJ, não é um clube, nem associação de espécie alguma, pois toda associação, nascida da vontade humana, mesmo e principalmente religiosa, carrega as marcas do egoísmo coletivo, exalta um nome que não é o de Jesus e tem um domínio que não é o do Senhor. Essas organizações estruturam-se com base em desempenhos, hierarquias, títulos, planos de carreira, de cargos e salários, tem gente que obedece, trabalha e sustenta gente que manda e não trabalha, e que faz da Igreja meio de vida, enriquecimento, exaltação do ego e exercício de poder. Mas se a Igreja não é uma organização, clube ou instituição, o que ela é? A Igreja é o encontro, o encontro de dois ou três, ou mais, e nesse encontro o que mais importa não é o número daqueles que se encontram, a atividade que farão ou o lugar que vão se reunir, o que importa nesse encontro é que seja o encontro com Cristo, com o Cristo que vive e está no outro.
SIMPLES ASSIM!

terça-feira, 4 de abril de 2017

NOSSAS REUNIÕES SÃO APENAS UMA PEQUENA EXPRESSÃO DA IGREJA DE JESUS!


Paulo David

Por isso nos propomos a não nos reunirmos em nenhum outro nome que não seja o nome de Jesus. Também não nos reunimos em templos, porque cremos que o TEMPLO DE DEUS são os corações daqueles que crêm. Nossas reuniões são simples, nelas nos encontramos uma vez por semana para comunhão, para louvarmos ao Senhor e estudarmos a bíblia, buscando nela a JESUS, a verdeira Palavra de Deus. Oramos uns pelos outros e compartilhamos, uns com os outros, aquilo que Jesus tem feito em nossas vidas. Não cobramos dízimos, por acreditar que esta prática fazia parte da velha aliança, onde havia um templo, sacerdotes e levitas que viviam em função do serviço deste templo. Cremos que na Nova Aliança todos fazemos parte do sacerdócio e o templo é a vida das pessoas, a quem devemos servir em nosso viver diário. Não pedimos ofertas em nossas reuniões, e cada um contribui conforme o Senhor, livremente, fala a seu próprio coração. Essas contribuições são dirigidas às verdadeiras necessidades do povo de Deus e aos necessitados desse mundo. Nosso Pastor é o próprio Jesus e aqueles que exercem algum tipo de liderança entre nós, o fazem como servos, sem honras, títulos, privilégios ou poderes especiais sobre os demais, pois cremos que devemos submissão sim, mas uns para com os outros, e em amor. Não temos chefes humanos. Cremos em Deus, o pai, que veio ao mundo tornando-se uma pessoa humana, o homem Jesus, o filho de Deus. Cremos na salvação pela graça por meio da fé na obra de Jesus Cristo na cruz, e não nas nossas obras. Cremos na Santificação que opera pelo Espírito Santo, que é o espírito de Cristo em nós, espírito do homem Jesus, ressurreto e glorificado, que nos leva à obediência do evangelho e nos ajuda a carregar a nossa cruz, transformando-nos assim, à sua própria imagem. Cremos no batismo em nome do Senhor Jesus como confissão pública da fé naquilo que Jesus Cristo realizou na Cruz, comprometendo-nos assim com ele. Cremos que há uma só Igreja e esta é formada por todos os que creem. Cremos que quando dois ou três estão reunidos em nome de Jesus, aí se encontra a igreja. Cremos que o cristianismo, organizado em forma de denominações, é um desvio do evangelho, exaltando o nome de homens, determinados ensinos, e instituições, submetendo o povo de Deus ao domínio humano, apropriando-se da fé e distorcendo o Espírito de união do Evangelho de Cristo. Quanto às nossas reuniões, todos são bem vindos a participar. Venha quem quiser, e ninguém que venha, será obrigado a continuar vindo ou estará obrigado a assumir o compromisso de frequentar somente nossas reuniões, pois todo verdadeiro cristão pertence ao corpo de Cristo e não a um segmento desse.
Deus abençoe a sua igreja!

A GRAÇA, OS VALES E OS MONTES

Paulo David

Voz do que clama no deserto: Preparai o caminho do Senhor ; endireitai no ermo vereda a nosso Deus. Todo vale será exaltado, e todo monte e todo outeiro serão abatidos; e o que está torcido se endireitará, e o que é áspero se aplainará.
Isaías 40:3‭-‬4
Hoje de manhã falamos sobre os vales que precisam ser levantados e os montes que precisam ser abaixados.
Quem são os vales?
Quem são os Montes?
Os Vales são aqueles religiosos que, pela incredulidade, não creem na suficiência da obra salvadora de Cristo e sentem que precisam fazer algo para alcançar o favor de Deus. Estes nunca encontram a paz, pois sentem que nunca fazem o suficiente. Estão sempre sentido que continuam devendo a Deus e que não estão conseguindo pagar.
Os Montes, por sua vez, são aqueles religiosos que sentem que Deus deve algo a eles. Muito zelosos, acreditam ser mais santos e fieis que a grande maioria dos cristãos. Assim por vezes sentem-se injustiçados, até por Deus, pois para eles, o Senhor parece não ver sua grande devoção e aquilo que eles estão fazendo para agrada-lo.
Os primeiros, os Vales, são presas fáceis para falsos profetas, cujo ensino, exige uma vida de total dedicação e sacrificio, em favor da causa do "Senhor", incluindo, e principalmente, sacrifício financeiro, é claro, tudo isso para se sentirem merecedores do favor divino. Como estes sempre se sentem em dívida, e nessa condição acreditam que Deus não os pode amar, precisam "fazer algo" para atrair o Seu favor e conquistar o seu amor. O pior é que esse é o estado espiritual de muitos seguidores de igrejas.
O segundo caso, o daqueles que se sentem Montes, ainda é mais lastimavel, pois tem sido a principal causa da grande divisão entre o povo de Deus e o surgimento do "espírito denominacional". Pois o orgulho de acreditar ser alguma coisa, de se acreditar mais espiritual que os demais, e muitas vezes, de não estar sendo valorizado e reconhecido como deveria na comunidade que participa, levam estes à divisão, ao isolamento e ao sectarismo que vemos hoje no meio religioso. Muitos desses no fim acabam se ofendendo até com o próprio Deus, pois sentem que Este não os tem valorizando como acreditam merecer.
Esse é o quadro Espiritual no chamado cristianismo dos dias de hoje.
Nestes últimos dias, Deus está levantando em toda a terra sua voz profética que levantará os Vales e abaixará os Montes e prepará o povo de Deus para a segunda vinda de Cristo para buscar sua noiva e julgar o mundo.
Irmão querido, em Cristo você não deve mais nada a Deus, não por não ter de fato contraído uma dívida imensurável, impossível de ser paga por você, mas porque essa grande dívida JÁ FOI PAGA POR JESUS. A salvação inicia no nosso coração quando, pela FÉ, sentimos seu amor e cremos no seu PERDÃO, por isso não temos de que nos gloriar, assim se não temos mais dívidas para com Deus, Deus também não nos deve nada! Pois somos todos pecadores salvos por Jesus, pela obra dele na cruz, pelos méritos dele e para honra e glória dele.
Não somos melhores que ninguém, pois a salvação foi nos dada imerecidamente e gratuitamente em Cristo. Deus nos amou não porque somos amáveis e sim porque Ele é amor e por isso nos amou!
Quando temos em nós a FÉ salvadora, temos verdadeira paz no coração, pois mesmo ainda sentindo que somos pecadores, sentimos, ao mesmo tempo, o amor de Deus e seu perdão. Essa consciência de ser PECADOR PERDOADO opera em nós uma transformação maravilhosa, as escrituras chamam a isso SANTIFICAÇÃO, o Espírito de Cristo em nós mudando a nossa vida, e ao mesmo tempo, nos mantendo sempre conscientes de seremos PECADORES PERDOADOS, nada além disso.
A isso chamamos GRAÇA!

domingo, 18 de setembro de 2016

OFENSA: A MAIOR DE TODAS AS TENTAÇÕES



Pr. Paulo David

 Hoje estudamos sobre a maior de todas as tentações: A OFENSA! Jesus, na oração que ele nos ensinou, fala sobre o perdão, em relação às ofensas que sofremos, relacionando isso ao “não deixes que sejamos tentados, mas livra-nos do mal.” Mateus 16: 12 Perdoa as nossas ofensas como também nós perdoamos as pessoas que nos ofenderam. 13 E não deixes que sejamos tentados, mas livra-nos do mal. [Pois teu é o Reino, o poder e a glória, para sempre. Amém!]” 14 — Porque, se vocês perdoarem as pessoas que ofenderem vocês, o Pai de vocês, que está no céu, também perdoará vocês. 15Mas, se não perdoarem essas pessoas, o Pai de vocês também não perdoará as ofensas de vocês. (NTLH) O perdão e a reconciliação são os verdadeiros antídotos e libertação contra a ofensa, a maior de todas as tentações. Muitos têm perdido o caminho e sido privados da graça de Deus por permitirem que a ofensa, como um câncer, corroa toda a sua vida. Ofensas têm sido as maiores causas de divórcios, dos conflitos dentro das famílias, do fim de amizades e muita maldade e violência no mundo. É também a principal razão que leva muitos deixarem a comunhão da igreja. Provérbios 18:19 “O irmão ofendido é mais difícil de conquistar do que uma cidade forte; e as contendas são como os ferrolhos de um palácio.” PRISIONEIROS DA OFENSA Mateus 18: 23 Por isso o reino dos céus pode comparar-se a um certo rei que quis fazer contas com os seus servos; 24 E, começando a fazer contas, foi-lhe apresentado um que lhe devia dez mil talentos; 25 E, não tendo ele com que pagar, o seu senhor mandou que ele, e sua mulher e seus filhos fossem vendidos, com tudo quanto tinha, para que a dívida se lhe pagasse. 26 Então aquele servo, prostrando-se, o reverenciava, dizendo: Senhor, sê generoso para comigo, e tudo te pagarei. 27 Então o senhor daquele servo, movido de íntima compaixão, soltou-o e perdoou-lhe a dívida. 28 Saindo, porém, aquele servo, encontrou um dos seus conservos, que lhe devia cem dinheiros, e, lançando mão dele, sufocava-o, dizendo: Paga-me o que me deves. 29 Então o seu companheiro, prostrando-se a seus pés, rogava-lhe, dizendo: Sê generoso para comigo, e tudo te pagarei. 30 Ele, porém, não quis, antes foi encerrá-lo na prisão, até que pagasse a dívida. 31 Vendo, pois, os seus conservos o que acontecia, contristaram-se muito, e foram declarar ao seu senhor tudo o que se passara. 32 Então o seu senhor, chamando-o à sua presença, disse-lhe: Servo malvado, perdoei-te toda aquela dívida, porque me suplicaste. 33 Não devias tu, igualmente, ter compaixão do teu companheiro, como eu também tive misericórdia de ti? 34 E, indignado, o seu senhor o entregou aos atormentadores, até que pagasse tudo o que devia. 35 Assim vos fará, também, meu Pai celestial, se do coração não perdoardes, cada um a seu irmão, as suas ofensas. Todos nós, que um dia verdadeiramente suplicaram pelo perdão de Deus, e o encontraram em Cristo Jesus, sabemos que as nossas ofensas contra Deus eram imperdoáveis. Mas Jesus, ao tomar sobre si estas ofensas, tomou também a condenação que estava sobre todos nós, pagando assim toda a nossa divida para com Deus. Essa graça recebida, que nos reconcilia, primeiramente com Deus, é também o que nos capacita a perdoar toda e qualquer ofensa que passamos receber e nos reconciliar com nosso próximo ou irmão. Quando não fazemos isso, nos tornamos prisioneiros da ofensa, e passamos ser atormentados por ela. O CAMINHO DA RECONCILIAÇÃO: 70 x 7 Mateus 18: 15 Ora, se teu irmão pecar contra ti, vai, e repreende-o entre ti e ele só; se te ouvir, ganhaste a teu irmão; 16 Mas, se não te ouvir, leva ainda contigo um ou dois, para que pela boca de duas ou três testemunhas toda a palavra seja confirmada. 17 E, se não as escutar, dize-o à igreja; e, se também não escutar a igreja, considera-o como um gentio e publicano. 18 Em verdade vos digo que tudo o que ligardes na terra será ligado no céu, e tudo o que desligardes na terra será desligado no céu. 19 Também vos digo que, se dois de vós concordarem na terra acerca de qualquer coisa que pedirem, isso lhes será feito por meu Pai, que está nos céus. 20 Porque, onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles. 21 Então Pedro, aproximando-se dele, disse: Senhor, até quantas vezes pecará meu irmão contra mim, e eu lhe perdoarei? Até sete? 22 Jesus lhe disse: Não te digo que até sete; mas, até setenta vezes sete. Mateus 5:22 Eu, porém, vos digo que qualquer que, sem motivo, se encolerizar contra seu irmão, será réu de juízo; e qualquer que disser a seu irmão: Raca, será réu do sinédrio; e qualquer que lhe disser: Louco, será réu do fogo do inferno. 23 Portanto, se trouxeres a tua oferta ao altar, e aí te lembrares de que teu irmão tem alguma coisa contra ti, 24 Deixa ali diante do altar a tua oferta, e vai reconciliar-te primeiro com teu irmão e, depois, vem e apresenta a tua oferta. 25 Concilia-te depressa com o teu adversário, enquanto estás no caminho com ele, para que não aconteça que o adversário te entregue ao juiz, e o juiz te entregue ao oficial, e te encerrem na prisão. 26 Em verdade te digo que de maneira nenhuma sairás dali enquanto não pagares o último ceitil. Não temos como seguir em comunhão com Deus, e desfrutar das bênçãos da sua presença, enquanto nos encontramos prisioneiro da ofensa. É de vital importância que reconheçamos a ofensa como pecado que nos separa de Deus e de nosso irmão ou próximo. Buscar o perdão de Deus, primeiramente para nós mesmos, para encontrarmos assim graça para perdoar aquele que nos ofendeu, é o caminho para a libertação. OFENSA CONTRA DEUS Mateus 11:6 “E bem-aventurado é aquele que não se escandalizar em mim.” O prognóstico da ofensa, quando não tratada, é nos afastar completamente da comunhão com Deus, pois o ofendido acabará por culpar a Deus da ofensa. Adão ao ser indagado pelo pecado culpou a Deus dizendo ter sido a mulher que o Senhor lhe havia dado como a verdadeira culpada pelo seu pecado. Percebeu? O culpado era Deus, afinal de contas se Deus não tivesse dado a ele aquela mulher nada teria acontecido. Esse é o fim da ofensa. Nos separar de Deus.