sábado, 20 de maio de 2017

O EVANGELHO SEGUNDO SÂO MALAQUIAS... Incoerências da Religião


Paulo David
Para aqueles que acreditam que a velha lei do dízimo e o sacerdócio Levítico não morreram com Cristo e para aqueles que dizem ser Levitas mas querem viver como Reis...
"Pois, quando se muda o sacerdócio, necessariamente há também mudança de lei. Porque aquele de quem são ditas estas coisas pertence a outra tribo, da qual ninguém prestou serviço ao altar; pois é evidente que nosso Senhor procedeu de Judá, tribo à qual Moisés nunca atribuiu sacerdotes. E isto é ainda muito mais evidente, quando, à semelhança de Melquisedeque, se levanta outro sacerdote, constituído não conforme a lei de mandamento carnal, mas segundo o poder de vida indissolúvel."
Hebreus 7:12‭-‬16 ARA

A LEI DO DÍZIMO:
1- Os Dízimos devíam ser dados aos levitas, aos estrangeiros, aos órfãos e às viúvas, ou seja: Aos necessitados: (DEUTERONÔMIO 26: 12 QUANDO ACABARES DE SEPARAR TODOS OS DÍZIMOS DA TUA COLHEITA NO ANO TERCEIRO, QUE É O ANO DOS DÍZIMOS, ENTÃO OS DARÁS AO LEVITA, AO ESTRANGEIRO, AO ÓRFÃO E À VIÚVA, PARA QUE COMAM DENTRO DAS TUAS PORTAS, E SE FARTEM)
2- Os Levitas deveríam dar o Dízimo dos Dízimos: (NÚMEROS 18: 25 E FALOU O SENHOR A MOISÉS, DIZENDO: 26 TAMBÉM FALARÁS AOS LEVITAS, E DIR-LHES-ÁS: QUANDO RECEBERDES OS DÍZIMOS DOS FILHOS DE ISRAEL, QUE EU DELES VOS TENHO DADO POR VOSSA HERANÇA, DELES OFERECEREIS UMA OFERTA ALÇADA AO SENHOR, OS DÍZIMOS DOS DÍZIMOS.)
3- Existem Levitas ou Sacerdócio Levítico na Nova Aliança? Hebreus nos ensina que Jesus é o nosso Sumo Sacerdote, segundo a Ordem de Melquisedeque, a tribo de Levi não está mais entre nós, nem o sacerdócio levitico. Mas suponhamos que houvesse um equivalente da lei do dízimo que permanecesse como algo a ser praticado na Nova Aliança, apesar de não encontrarmos tal ensino nem em Jesus nem nos apóstolos, pois não vivemos mais debaixo da lei de Moises e sim da lei do amor, a graca, pois Jesus já realizou o maior, prefeito e definitivo sacrifício. Mas vamos imaginar que o dízimo fosse algo, assim, que nem o sábado para os Adventistas, e que os chamados pastores e obreiros fossem os Levitas da Novo Testamento. Hora! Se assim fosse, então eles não teríam que viver como os Levitas, com simplicidade e sem acumulação, como foi ordenado aos da tribo de Levi? (NÚMEROS 18: 23 MAS OS LEVITAS EXECUTARÃO O MINISTÉRIO DA TENDA DA CONGREGAÇÃO, E ELES LEVARÃO SOBRE SI A SUA INIQÜIDADE; PELAS VOSSAS GERAÇÕES ESTATUTO PERPÉTUO SERÁ; E NO MEIO DOS FILHOS DE ISRAEL NENHUMA HERANÇA TERÃO, 24 PORQUE OS DÍZIMOS DOS FILHOS DE ISRAEL, QUE OFERECEREM AO SENHOR EM OFERTA ALÇADA, TENHO DADO POR HERANÇA AOS LEVITAS; PORQUANTO EU LHES DISSE: NO MEIO DOS FILHOS DE ISRAEL NENHUMA HERANÇA TEREIS.
Nenhuma herança tereis nesse mundo! Não foi assim que os apóstolos de Jesus viveram e morreram? Uma vida de simplicidade deveria ser o modelo daqueles que servem na obra do Reino de Deus. Não foi isso que Jesus ensinou quando enviou seus discípulos dois a dois?
"e, à medida que seguirdes, pregai que está próximo o reino dos céus. Curai enfermos, ressuscitai mortos, purificai leprosos, expeli demônios; de graça recebestes, de graça dai."
Mateus 10:7‭ ARA

IGREJAI-VOS UNS AOS OUTROS!

Paulo David
"A Igreja de Jesus é a igreja dos relacionamentos, do andar juntos, da busca do outro, da inclusão dos que ainda estão do lado de fora e não exclusão dos que estão do lado de dentro..."
Esse aspecto tem chamado muito a minha atenção ultimamente. Eu pensava, até pouco tempo, que não havia o tal do desigrejado, termo utilizado por alguns para designar aqueles que decidiram deixar as estruturas das "igrejas" denominacionais, mas descobri que é possível ser desigrejado mesmo estando no corpo de Cristo. Não me refiro, é claro, aos que foram libertos da prisão religiosa e do julgo do controle e da sujeição humana. Não, de modo nenhum, eu me refiro sim, àqueles que, ensimesmados, não conseguem andar lado a lado com seus irmãos, não conseguem se sentir como igual no meio dos seus iguais, pois ainda não entenderam que igreja, além de relacionamento com Deus, é relacionamento uns com os outros, os outros que estão dentro, os outros que ainda estão fora, pois a igreja de Jesus sempre foi e será inclusiva, inclusiva e acolhedora, pois a todos quer alcançar, por isso, ser igreja é não querer caminhar sozinho, é compartilhar a vida, a vida de Deus, é querer ajudar, mas também aceitar ser ajudado, é ouvir o outro, é se dispor a ver com o olhar do outro, afinal de contas, alguém já disse que onde todos pensam do mesmo jeito, ninguém está realmente pensando. Censurar, proibindo o outro de ser o outro, sempre foi característica do sistema religioso, lembre-se que a religião rejeitou e crucificou a vida. É próprio da religião exigir e impor uniformidade de ideias e comportamentos, mas isso não é da natureza da igreja de Jesus, pois a verdadeira unidade de fé só se alcança onde chegou primeiro a unidade do Espírito, e isso significa aprender que aquilo que nos une, Jesus, é maior que aquilo que nos separa. Não é fácil, eu sei, pois exige humildade, quebrantamento e principalmente amor. Implica em negar-se a si mesmo, tomar a cruz a cada dia e seguir Jesus em direção do calvário. É por isso que é mais fácil para os crentes carnais seguir numa denominação religiosa convencional, pois nesta os papéis são claramente definidos e estabelecidos. Ali já se sabe quem manda e quem obedece, quem segue e quem é seguido. Nessa hierarquização das relações, onde os grandes mandam, enquanto os pequenos obedecem, e estes ultimos assim o fazem na esperança de que possam eventualmente vir a mandar também. Nesse sistema não é necessário aprender a submissão de uns para com os outros, nem a ser servo de todos. Esse anarquismo, onde só Jesus é o Senhor, caracteriza a verdadeira Igreja de Deus.
Para terminar quero citar a parábola do filho pródigo, não especificamente me referindo ao filho pródigo, mas a seu irmão. Esse irmão do filho pródigo, que nem nome chegou a ter, é um perfeito exemplo do verdadeiro desigrejado. Nunca deixou a casa do pai, mas também nunca realmente esteve nela.
Vamos aprender a caminhar juntos a caminhada com Deus.
QUE DEUS POSSA NOS IGREJAR UNS AOS OUTROS!.

quinta-feira, 4 de maio de 2017

E SERÃO OS DOIS COMO UM SÓ...SÓ EM CRISTO ISSO TORNOU-SE POSSÍVEL! OU RESPONDENDO A SIMONE DE BEAUVOIR...



Paulo David
"Por isso, deixa o homem pai e mãe e se une à sua mulher, tornando-se os dois uma só carne.
Gênesis 2:24"...."E à mulher disse: Multiplicarei sobremodo os sofrimentos da tua gravidez; em meio de dores darás à luz filhos; o teu desejo será para o teu marido, e ele te governará Gênesis 3:16...Entre Gênesis 2:24 e Gênesis 3:16, o pecado entrou na história humana, e este, impediria temporariamente, o plano e o propósito perfeito de Deus, o de homens e mulheres se unirem e serem como "um só". Por isso a lei foi dada, em função da dureza do coração dos homens, homens e mulheres, impossibilitados por causa do pecado, de serem unidos e guiados pelo Espírito de Deus. No tempo da lei, esta, passou a ordenar a relação entre homem e mulher, tendo por base desta relação, a submissão da mulher em relação ao homem. Agora no tempo da graça, fomos libertos por Cristo da lei do pecado, e consequentemente da própria lei, que nos foi dada por causa do pecado. Sim, Jesus na cruz restaurou todas as coisas, o plano e propósito eterno de Deus, habitar no coração de homens e mulheres, que em Cristo, tornam-se um só, caminhando juntos, lado a lado, "sujeitando-vos uns aos outros no temor de Cristo". Efésios 5:21. "Eis por que deixará o homem a seu pai e a sua mãe e se unirá à sua mulher, e se tornarão os dois uma só carne". Efésios 5:31. "Grande é este mistério, mas eu me refiro a Cristo e à igreja". Efésios 5:32. Infelizmente a Sra de Jean Paul Sartre não conheceu a Jesus e sua graça, só conheceu a religião, e esta por sua vez, é escrava e escravizante, pois encontra-se por natureza debaixo da lei, sendo por isso incapaz de revelar ao mundo o que significa ser livre, muito menos que o significa ser um só.

domingo, 16 de abril de 2017

"MAIS BEM-AVENTURADA COISA É DAR DO QUE RECEBER"

Paulo David
Atos 35: 29 Porque eu sei isto que, depois da minha partida, entrarão no meio de vós lobos cruéis, que não pouparão ao rebanho; 30 E que de entre vós mesmos se levantarão homens que falarão coisas perversas, para atraírem os discípulos após si.
31 Portanto, vigiai, lembrando-vos de que durante três anos, não cessei, noite e dia, de admoestar com lágrimas a cada um de vós.
32 Agora, pois, irmãos, encomendo-vos a Deus e à palavra da sua graça; a ele que é poderoso para vos edificar e dar herança entre todos os santificados. 33 De ninguém cobicei a prata, nem o ouro, nem o vestuário. 34 Sim, vós mesmos sabeis que para o que me era necessário a mim, e aos que estão comigo, estas mãos me serviram. 35 Tenho-vos mostrado em tudo que, trabalhando assim, é necessário auxiliar os enfermos, e recordar as palavras do Senhor Jesus, que disse: Mais bem-aventurada coisa é dar do que receber.
...Todos devemos contribuir financeiramente para suprir as necessidades da obra de Deus, sim todos devemos contribuir, mas contribuir com a obra de Deus é uma coisa, e ser manipulado por homens, que nos tornam devedores, aprisionado-nos a um mandamento, descontextualizado do Velho Testamento, é outra coisa bem diferente. É, eu estou me referindo ao dízimo, ressuscitado da Velha Aliança, e que se tornou, juntamente com as campanhas e ofertas tiradas destas, a base de sustentação econômica de grandes empresas religiosas, que se apresentam a nós com o nome, ou melhor, os nomes de "igrejas". Mas se formos ao Velho Testamento com olhos do Novo testamento, veremos que o dízimo, como era praticado na lei de Moisés, veio a se tornar parte das ordenanças do velho pacto, por ser necessário para o sustento de sacerdotes e de levitas, que haviam sido separados dos demais homens para cuidarem das coisas sagradas e conduzir o culto e as ordenanças do antigo templo, feito de pedras, por mãos humanas. Na nova aliança, no tempo da graça, o próprio templo de pedras já não existe mais, muito menos, coisas sagradas de ouro ou de prata, feitas pelas mãos dos homens, pois Cristo, ao ressuscitar e ser glorificado, pôde derramar sobre nós o seu Espírito, estabelecendo para Deus um novo templo, não feito de pedras, não feito por mãos humanas, um templo segundo o propósito eterno de Deus, o coração do homem. Assim um novo sacerdócio foi estabelecido, iniciado por Cristo, segundo a ordem de Melquisedeque, e que passou a ser universal, estendido a todos os filhos de Deus. Por isso todos aqueles que verdadeiramente servem aos homens, alvo do amor de Deus, servem o verdadeiro templo de Deus, as verdadeiras coisas sagradas. Estes, que assim o fazem, devem faze-lo de graça, esperando e confiando na graça de Deus e não no mandamento da lei. Ora tudo o que se faz de errado nesse assunto de modo algum pode ser usado como desculpas para não contribuirmos com a verdadeira obra de Deus, pois nós que fazemos parte do povo de Deus, não podemos esquecer, que quando nos entregamos ao Senhor Jesus, entregamos tudo o que somos e tudo o que temos, essa entrega, não foi uma entrega de dez por cento, ou trinta ou cinquenta ou noventa e nove por cento, mas cem por cento, tudo o que somos e temos pertencem a Ele, e se de fato cremos assim, e se somos guiados pelo seu Espírito, e não pela lei, sempre que surgir uma necessidade a ser suprida, estaremos dispostos a contribuir, quer seja individualmente ou coletivamente, quer seja com pessoas necessitadas, viuvas, órfãos, quer seja com aqueles que um dia deixaram o conforto e a segurança de seus lares, para anunciar o evangelho das boas novas da salvação em lugares distantes, pois contribuir, partilhar, repartir, ou simplesmente dar a quem nos pede, são manifestações do amor de Deus e da presença do Espírito de Cristo em nossos corações.

E SERÃO OS DOIS COMO UM SÓ...SÓ EM CRISTO ISSO TORNOU-SE POSSÍVEL! OU RESPONDENDO A SIMONE DE BEAUVOIR...


Paulo David
"Por isso, deixa o homem pai e mãe e se une à sua mulher, tornando-se os dois uma só carne.
Gênesis 2:24"...."E à mulher disse: Multiplicarei sobremodo os sofrimentos da tua gravidez; em meio de dores darás à luz filhos; o teu desejo será para o teu marido, e ele te governará Gênesis 3:16...Entre Gênesis 2:24 e Gênesis 3:16, o pecado entrou na história humana, e este, impediría temporariamente, o plano e o propósito perfeito de Deus, o de homens e mulheres se unirem e serem como "um só". Por isso a lei foi dada, em função da dureza do coração dos homens, homens e mulheres, impossibilitados por causa do pecado, de serem unidos e guiados pelo Espírito de Deus. No tempo da lei, esta, passou a ordenar a relação entre homem e mulher, tendo por base desta relação, a submissão da mulher em relação ao homem. Agora no tempo da graça, fomos libertos por Cristo da lei do pecado, e consequentemente da própria lei, que nos foi dada por causa do pecado. Sim, Jesus na cruz restaurou todas as coisas, o plano e propósito eterno de Deus, habitar no coração de homens e mulheres, que em Cristo, tornam-se um só, caminhando juntos, lado a lado, "sujeitando-vos uns aos outros no temor de Cristo". Efésios 5:21. "Eis por que deixará o homem a seu pai e a sua mãe e se unirá à sua mulher, e se tornarão os dois uma só carne". Efésios 5:31. "Grande é este mistério, mas eu me refiro a Cristo e à igreja". Efésios 5:32. Infelizmente a Sra de Jean Paul Sartre não conheceu a Jesus e sua graça, só conheceu a religião, e esta por sua vez, é escrava e escravizante, pois encontra-se por natureza debaixo da lei, sendo por isso incapaz de revelar ao mundo o que significa ser livre, muito menos que o significa ser um só.

domingo, 9 de abril de 2017

Quem é o meu próximo?




Paulo David

Mateus 22: 36 Mestre, qual é o grande mandamento na lei? 37 E Jesus disse-lhe: Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento. 38 Este é o primeiro e grande mandamento. 39 E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. 40 Destes dois mandamentos dependem toda a lei e os profetas.
Mas quem é o nosso próximo?
Durante muito tempo eu entendia essa questão do próximo como sendo todas as pessoas, as estavam perto e as que estavam longe. Hoje entendo que o próximo não é aquele que está nem muito menos aqueles que estão perto. O próximo é aquele que dele nos aproximamos.
Marcos 16:15 “E disse-lhes: Ide (indo) por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura”
Em nenhum lugar do novo testamento é dito que as pessoas precisam vir para ouvir o evangelho. Jesus disse “vinde a mim os que estão cansados e sobrecarregados”, mas também disse que devemos ir e fazer discípulos. Fazer discípulos é se aproximar daqueles que estão perto de nós mas distantes de Cristo assim como Jesus se aproximou de nós ao vir a esse mundo como homem e ter morrido na cruz para aproximar-nos de Deus, seu Pai..
Mas porque é tão difícil nos aproximarmos das pessoas?
“É mais fácil amar os que estão distantes que amar os que estão próximos”
Por que? Porque, quando nos aproximamos das pessoas passamos a conhece-las e sermos conhecidos por elas, e é difícil amar as pessoas quando conhecemos seus pecados e suas imperfeições, é mais fácil jogar pedras que anunciar as boas novas de perdão e salvação.
A RELIGIÃO SÓ CONSEGUE ANUNCIAR O JUÍZO AOS PECADORES!
Por outro lado, não queremos que as pessoas nos conheçam e conheçam nossas falhas e imperfeições. Em nossa religiosidade tendemos a mostrar que somos aquilo que realmente não somos. Como os Fariseus do tempo de jesus, nós nos escondemos numa capa de “santidade” religiosa, e isso nos distancia ainda mais daqueles que deveríamos nos aproximar.
João 13:14 “Ora, se eu, Senhor e Mestre, vos lavei os pés, vós deveis também lavar os pés uns aos outros”.
Nessa passagem Jesus fala de aproximação. Deixar lavar os pés é andar em humildade, é deixar que os outros nos conheçam, conheçam nossas falhas e imperfeições. Ser Igreja é nos aproximar e deixar que os outros se aproximem;
Talvez seja por isso que muitos procuram “igrejas” onde tenha muita gente e os relacionamentos sejam mais distantes e superficiais;
Mateus 22: 39 “E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo”.
“O amor que temos para com o outro é proporcional à consciência que temos do amor de Deus por nós.”
Lucas 7: 36 E rogou-lhe um dos fariseus que comesse com ele; e, entrando em casa do fariseu, assentou-se à mesa. 37 E eis que uma mulher da cidade, uma pecadora, sabendo que ele estava à mesa em casa do fariseu, levou um vaso de alabastro com unguento; 38 E, estando por detrás, aos seus pés, chorando, começou a regar-lhe os pés com lágrimas, e enxugava-lhos com os cabelos da sua cabeça; e beijava-lhe os pés, e ungia-lhos com o unguento. 39 Quando isto viu o fariseu que o tinha convidado, falava consigo, dizendo: Se este fora profeta, bem saberia quem e qual é a mulher que lhe tocou, pois é uma pecadora. 40 E respondendo, Jesus disse-lhe: Simão, uma coisa tenho a dizer-te. E ele disse: Dize-a, Mestre. 41 Um certo credor tinha dois devedores: um devia-lhe quinhentos dinheiros, e outro cinquenta. 42 E, não tendo eles com que pagar, perdoou-lhes a ambos. Dize, pois, qual deles o amará mais?
43 E Simão, respondendo, disse: Tenho para mim que é aquele a quem mais perdoou. E ele lhe disse: Julgaste bem. 44 E, voltando-se para a mulher, disse a Simão: Vês tu esta mulher? Entrei em tua casa, e não me deste água para os pés; mas esta regou-me os pés com lágrimas, e mos enxugou com os seus cabelos. 45 Não me deste ósculo, mas esta, desde que entrou, não tem cessado de me beijar os pés. 46 Não me ungiste a cabeça com óleo, mas esta ungiu-me os pés com unguento. 47 Por isso te digo que os seus muitos pecados lhe são perdoados, porque muito amou; mas aquele a quem pouco é perdoado pouco ama. 48 E disse-lhe a ela: Os teus pecados te são perdoados. 49 E os que estavam à mesa começaram a dizer entre si: Quem é este, que até perdoa pecados? 50 E disse à mulher: A tua fé te salvou; vai-te em paz.
Essa passagem nos revela que o amor e o perdão, que nos leva a nos aproximarmos dos outros, é proporcional ao amor e perdão que recebemos de Deus e a proximidade que temos dele.
“PRECISAMOS NOS APROXIMAR DE DEUS PARA NOS APROXIMAR MAIS DOS HOMENS”
Tiago 4:8ª “Chegai-vos a Deus, e ele se chegará a vós”.

quinta-feira, 6 de abril de 2017

A IGREJA É SIMPLESMENTE O ENCONTRO COM O OUTRO.


Paulo David
Você, assim como eu, já deve ter ouvido a seguinte declaração: "Eu sou a Igreja"! Mas poderia um indivíduo ser a Igreja? Existe tal ideia no Novo Testamento? Muito pelo contrário, a Igreja, a qual Jesus e os apóstolos se referiram , não sou eu, ou você, ou qualquer outro indivíduo, a Igreja SOMOS NÓS! Ela não existe para exaltação de egos ou para promoção de individualismos, do mesmo modo, ela também não pertence a indivíduos nem a coletividades, não é minha, não é sua, nem tão pouco nossa, ela é de Cristo. A igreja não nasceu da vontade humana, nem individual, nem coletiva, não é uma sociedade limitada, nem sociedade anônima, não tem sede, nem CNPJ, não é um clube, nem associação de espécie alguma, pois toda associação, nascida da vontade humana, mesmo e principalmente religiosa, carrega as marcas do egoísmo coletivo, exalta um nome que não é o de Jesus e tem um domínio que não é o do Senhor. Essas organizações estruturam-se com base em desempenhos, hierarquias, títulos, planos de carreira, de cargos e salários, tem gente que obedece, trabalha e sustenta gente que manda e não trabalha, e que faz da Igreja meio de vida, enriquecimento, exaltação do ego e exercício de poder. Mas se a Igreja não é uma organização, clube ou instituição, o que ela é? A Igreja é o encontro, o encontro de dois ou três, ou mais, e nesse encontro o que mais importa não é o número daqueles que se encontram, a atividade que farão ou o lugar que vão se reunir, o que importa nesse encontro é que seja o encontro com Cristo, com o Cristo que vive e está no outro.
SIMPLES ASSIM!