sexta-feira, 16 de novembro de 2018

BATISMOS NÃO NOS SALVAM, ESTES SÃO APENAS TESTEMUNHOS DE QUE, QUEM NOS SALVA É JESUS... E ESSA SALVAÇÃO FOI FEITA POR ELE NO CÉU, QUANDO SAIU DO PAI, ANTES DA FUNDAÇÃO DO MUNDO!

Paulo David
A imagem pode conter: uma ou mais pessoas e pessoas em pé
A imagem pode conter: uma ou mais pessoas
 Mateus 3:11 "E eu, em verdade, vos batizo com água, para o arrependimento; mas aquele que vem após mim é mais poderoso do que eu; cujas alparcas não sou digno de levar; ele vos batizará com o Espírito Santo, e com fogo."
1 João 5: 6. Este é aquele que veio por meio de água e sangue, Jesus Cristo: não somente por água, mas por água e sangue. E o Espírito é quem dá testemunho, porque o Espírito é a verdade.
I João 5:8 [2] "E três são os que testificam na terra: o Espírito, e a água e o sangue; e estes três concordam num."
Apocalipse 13:8 [2] "...no livro da vida do Cordeiro que foi morto desde a fundação do mundo."
Atos 22:16 "E agora por que te deténs? Levanta-te, e batiza-te, e lava os teus pecados, invocando o nome do Senhor."
Atos 2:21 "E acontecerá que todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo."
Atos 2:38 "E disse-lhes Pedro: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo, para perdão dos pecados; e recebereis o dom do Espírito Santo;"

A imagem pode conter: área interna e atividades ao ar livre Se quisermos entender o verdadeiro significado do batismo, precisamos dar uma olhada no batismo de Jesus, que está relacionado, como nenhum outro, a estes três que dão testemunho na terra, o Espírito, a água e o sangue. O batismo de Jesus está relacionado ao Espírito, pois no batismo de Jesus, ao descer sobre ele o Espírito Santo de Deus, o Pai pode novamente, em espírito, se unir à pessoa de seu filho, fazendo habitar corporalmente em Cristo, toda a plenitude da divindade, Eles que na eternidade eram uma só pessoa, se tornaram por ocasião do batismo de Jesus, pelo Espírito, no tempo e no espaço, dois em um, pois o filho no inicio do tempo, ao ser gerado, e não criado, tornou-se a Palavra, saindo da pessoa do próprio Deus, tornando-se, pelo menos na dimensão do tempo e do espaço, um outro, uma pessoa separada do Pai, o filho de Deus, a Palavra, o Verbo Eterno, por intermédio de quem, Deus o Pai, criou todas as coisas. Este mesmo, a Palavra Eterna, na plenitude dos tempos, se fez carne, esvaziando-se definitivamente de sua própria glória e poder, tornando-se o homem Jesus. É por isso que, por ocasião do batismo de Jesus, ao descer sobre Ele o Espírito de Deus, podemos compreender o porquê da bíblia nos dizer, que Deus estava em Cristo, reconciliado consigo o mundo. Muitos ainda não compreendem o porquê de Jesus ter vindo até João para ser batizado, sendo que ele mesmo não tinha pecado, nem tinha do que se arrepender, o próprio João teve dificuldade de compreender isso também naquela ocasião, mas Jesus lhe disse algo que trouxe luz sobre o significado daquilo que estava fazendo, e da missão de João e o papel desta missão no plano da salvação. Jesus disse a João ser preciso cumprir toda a justiça. O que Jesus queria dizer com isso? A qual justiça ele estava se referindo? Jesus se referia à justiça de Deus, segundo a lei de Moisés, que exigia a morte do pecador por causa do pecado, na lei de Moisés, estava escrito que a alma que pecasse, deveria morrer, e sendo que todos os homens pecaram e destituídos foram da vida e glória de Deus, estávamos todos nós irremediavelmente condenados à morte eterna...a não ser que houvesse um homem perfeito e sem pecado, que pudesse morrer em nosso lugar, mas nenhum homem nascido de mulher, segundo a bíblia, encontrava-se nesse mundo sem pecado. Vendo que por causa do pecado, o homem estava condenado a morrer eternamente, Deus amou o mundo de tal maneira, que gerou de si mesmo um filho, e este filho se fez homem e veio ao mundo para salvar os outros homens. Por amor Deus que nos havia perdoado antes mesmo que pecássemos e antes mesmo de Jesus morrer para nos perdoar. Assim a verdadeira missão de João Batista, ao batizar os homens, não era batizar os homens, era o de batizar a Jesus, e o verdadeiro propósito do batismo de Jesus, era, por meio do batismo, tomar sobre si mesmo os nossos pecados, e consequentemente as nossas culpas, para leva-los finalmente à cruz, para que no batismo de sua morte, condenado em nosso lugar, anunciasse ao mundo que o preço havia sido pago pelo seu sangue, ou seja, com a sua vida, o preço da nossa divida eterna para com Deus, preço que nós não tínhamos como pagar. No batismo de Jesus e em sua morte, o espírito, a água e o sangue, testemunharam da expiação e remissão dos pecadores, testemunhos dos quais o apóstolo João se referiu em sua primeira epístola. Ao meditar na palavra de Deus, que nos é revelado através das Escrituras, vemos que Deus já havia nos dado o seu perdão muito antes de jesus vir a este mundo, antes mesmo da fundação do mundo, antes mesmo do pecado, e isso é algo que precisamos entender, por ser tratar de realidades espirituais e eternas. Deus não nos concedeu perdão por causa do sacrifício do homem Jesus na cruz do calvário, este sacrifício foi um testemunho na terra do verdadeiro e eterno sacrifício no céu, o homem Jesus morreu e derramou seu sangue na cruz, para que dar testemunho do verdadeiro sacrifício feito no céu, antes da fundação do mundo. João em sua primeira epístola nos diz por isso, que três são os que dão testemunho na terra, o Espírito, a água e o sangue, esses três concordam num, que é a pessoa do próprio Jesus, esse sim ao deixar o Pai, tornou-se o salvador eterno, o único e suficiente salvador. Não é o batismo seja do Espírito, seja o batismo na água, e nem mesmo o sangue derramado no batismo da morte de Jesus, que nos garante a salvação, e sim o sacrifício eterno de Deus sair de Deus e finalmente se tornar um homem, por amor de nós. É por isso que Jesus é o salvador, o único e suficiente salvador. Estes, o Espírito derramado, a água derramada e o sangue derramado, são testemunhas na terra da salvação feita no céu, na eternidade, na pessoa, na obra e na vida de Jesus, testificando que ele é o verdadeiro Deus e a vida eterna, pois a nossa salvação foi feita antes da fundação do mundo, e por essa salvação eterna que a Palavra saiu do Pai, numa espécie de cruz, antes da cruz, rasgando em dois o véu do próprio ser divino, para criação, salvação e restauração de todas as coisas. A nossa salvação está totalmente na pessoa e obra do salvador, o salvador Jesus, e essa salvação eterna nos é concedida pela graça, por meio da fé, a fé no Filho de Deus. Assim, o batismo nas águas feito em nome do Senhor Jesus Cristo é apenas um dos três testemunhos públicos da fé em Jesus, dos que creem nele de todo o coração. Isso posto, entendemos que ensinar que o batismo nas águas, é algo necessário para a salvação, é um ensino totalmente contrário aos fundamentos da fé apostólica, é ensinar salvação pelas obras, é negar a salvação pela graça, somente por meio da fé em Jesus, tirando de Cristo a suficiência da salvação. A água continua sendo um dos três testemunhos de fé do cristão na terra, uma confissão pública de fé, onde invocamos o nome do Senhor e proclamamos nossa fé nele, recebendo assim o batismo porque fomos salvos e não para sermos salvos, pois cremos em Jesus, autor e consumador da nossa fé.

A IDENTIFICAÇÃO ESPIRITUAL ENTRE OS PARTIDOS POLITICOS E AS DENOMINAÇÕES RELIGIOSAS E A DIFERENÇA ENTRE ESTES E A VERDADEIRA IGREJA DE DEUS.

Paulo David
Mateus 24: 11 "...e numerosos falsos profetas surgirão e enganarão a muitos."
Atos dos Apóstolos 20: 29 "Sei que, depois da minha partida, lobos ferozes penetrarão no meio de vocês e não pouparão o rebanho. 30. E dentre vocês mesmos se levantarão homens que torcerão a verdade, a fim de atrair os discípulos."
Eu levei muito tempo, infelizmente, para entender o porquê de Jesus ter dito, "onde estiverem dois ou três, eu estarei no meio deles"...Por que Jesus, ao falar da igreja reunida, enfatizou pequenos grupos e não os grandes ajuntamentos? Isso hoje me parece tão óbvio...As multidões, os grandes ajuntamentos sempre tenderão a se converterem em partidos ou seitas, monopolizadoras da verdade dos homens e de Deus. No caso da multidão religiosa, como em qualquer multidão, haverá sempre uma minoria gananciosa e manipuladora, "organizando" o ajuntamento e governando sobre a massa organizada, massa essa não menos gananciosa, porém temerosa, e por isso suscetível aos mecanismos de idiotização e manipulação da minoria governante, em troca de bênçãos espirito-materiais e cargos no governo da igreja. Assim, "onde estiverem uma multidão reunidade em nome de uma denominacão religiosa, e não somente em nome de Jesus, haverá líderes manipulando e enriquecendo no meio dela." Partidos políticos, quer ditos de direita, quer ditos de esquerda, sempre estão fundamentados em ideiologias manipuladoras de massas e nunca libertadora destas, sempre fortalecendo o poder do próprio Estado e/ou das Coorporações e nunca promovendo a emancipação e autonomia da sociedade e dos indivíduos. Do mesmo modo, nascem os partidos da "fe", as denominações religiosas, desde a primeira, o catolicismo romano, até as milhares de denominações ditas evangélicas, por isso não nos surpreende essa tendêcia histórica e recorrente da união destas igrejas com partidos e governos, devido a natureza espiritual comum entre estas entidades, o que segundo as escrituras, culminará no fim dos tempos, no retorno de um modelo de Estado que unirá política e religião, o que já está acontecendo em vários países. Isso irá contribuir para a manifestação final do Anticristo, o Falso Messias. A verdadeira igreja de Jesus não é uma organização religiosa com nome distintivo, com governo humano e endereço fixo, ela é um organismo vivo, presente em toda a terra, onde estiverem dois ou três unidos e reunidos livremente em seu nome. A verdadeira igreja de Jesus não governa sobre pessoas ou grupos de pessoas, ela sim é governada apenas pelo proprio Jesus, através do seu Espírito, o verdadeiro pastor das ovelhas. Ela consiste numa livre associação e cooperação entre discípulos. A única autoridade reconhecida na verdadeira igreja de Jesus é a autoridade da vida de Cristo, quando se manifesta na vida dos disipulos, quando estes estào entregues, por amor, ao serviço do próximo, nada buscando receber por isso, nem poder, nem engrandecimento, nem riquezas, nem reconhecimento de forma alguma nesse mundo. Não há governo humano reconhecido como tal sobre a verdadeira igreja de Deus e nela todos os discípulos são livres para se reunirem onde outros discípulos estiverem reunidos em nome de Jesus. Aqueles que se colocam como governo na igreja são na verdade mercenários!
João 10: 7 "Então Jesus afirmou de novo: "Digo-lhes a verdade: Eu sou a porta das ovelhas. 8. Todos os que vieram antes de mim eram ladrões e assaltantes, mas as ovelhas não os ouviram. 9. Eu sou a porta; quem entra por mim será salvo. Entrará e sairá, e encontrará pastagem. 10. O ladrão vem apenas para furtar, matar e destruir; eu vim para que tenham vida, e a tenham plenamente. 11. "Eu sou o bom pastor. O bom pastor dá a sua vida pelas ovelhas. 12. O assalariado não é o pastor a quem as ovelhas pertencem. Assim, quando vê que o lobo vem, abandona as ovelhas e foge. Então o lobo ataca o rebanho e o dispersa. 13. Ele foge porque é assalariado e não se importa com as ovelhas. 14. "Eu sou o bom pastor; conheço as minhas ovelhas; e elas me conhecem; 15. assim como o Pai me conhece e eu conheço o Pai; e dou a minha vida pelas ovelhas. 16. Tenho outras ovelhas que não são deste aprisco. É necessário que eu as conduza também. Elas ouvirão a minha voz, e haverá um só rebanho e um só pastor."

segunda-feira, 3 de setembro de 2018

O REINO DE CRISTO EM APOCALIPSE 20, É UMA VISÃO PROFÉTICA DA ERA DO EVANGELHO DA GRAÇA E DA PAZ!

Paulo David
1 Coríntios 15: 24. Então virá o fim, quando ele entregar o Reino a Deus, o Pai, depois de ter destruído todo domínio, autoridade e poder. 25. Pois é necessário que ele reine até que todos os seus inimigos sejam postos debaixo de seus pés. 26. O último inimigo a ser destruído é a morte. 27. Porque ele "tudo sujeitou debaixo de seus pés". Ora, quando se diz que "tudo" lhe foi sujeito, fica claro que isso não inclui o próprio Deus, que tudo submeteu a Cristo. 28. Quando, porém, tudo lhe estiver sujeito, então o próprio Filho se sujeitará àquele que todas as coisas lhe sujeitou, a fim de que Deus seja tudo em todos.
O Reino de paz de Cristo começou com sua primeira vinda e terminará quando ele voltar para julgar o mundo. Ele amarrou Satanás na cruz pelo poder do Evangelho.
O Reino de Cristo, desde então, é um Reino da Paz. Seus discípulos não empunham armas carnais e sim a espada da Palavra de Deus, assim seguem saqueando o inferno e enchendo o céu. Jesus comparou esse mundo a uma grande lavoura. As armas do cristão são poderosas em Deus para demolir fortalezas. Estamos no tempo final, e a apostasia que Jesus disse que viria no tempo do fim já é visível. Muitos do chamado cristianismo nominal, seguiram pelo caminho largo do mundo, oposto ao caminho estreito do evangelho, que leva à terra prometida do céu. Estes perderam, ou nunca tiveram o desejo, pelas riquezas espirituais, e passarem a buscar as riquezas e reinos desse mundo, proposta por Satanás, acumulando bens e riquezas, e agora querem defender seu tesouro com armas carnais. A guerra, quer entre nações que se diziam cristãs, como as das grandes guerras mundiais, quer dentro de numa sociedade que se diz religiosa, é por si só um dos sinais da Besta, um sinal de que Satanás já está solto e agindo livremente por meio da religiosidade humana morta.
3 c

domingo, 29 de julho de 2018

JESUS É A PALAVRA DE DEUS

Paulo David
João 17: 3. E a vida eterna é esta: que te conheçam a ti, como o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, aquele que tu enviaste.
João 5: 39. Examinais as Escrituras, porque julgais ter nelas a vida eterna; e são elas que dão testemunho de mim;
A igreja de Jesus durante muito tempo não teve acesso à bíblia como a conhecemos hoje, mas ela tinha a Palavra de Deus. A Palavra de Deus nunca foi o livro, ou os livros que vieram a compor as Sagradas Escrituras. A Palavra de Deus é aquele de quem o livro fala, o próprio Deus, revelado no conteúdo de seu texto, e plenamente manifestado na pessoa do homem Jesus. Portanto, não deveríamos fazer, o que faziam os escribas e fariseus, que liam as Escrituras procurando nelas o mandamento da lei, para julgar e condenar os outros, deveríamos sim, procurar o conhecimento de Deus, de sua Pessoa, de seu caráter, de seu Espírito, e principalmente de seu amor e misericórdia para com todos os homens, demonstrado em Cristo Jesus, e assim, conhecendo quem é Deus, entenderíamos mais facilmente à sua vontade para as nossas vidas, encontrando a fé e o amor, necessários para andarmos no caminho da graça e para atrair outros para andar nesse caminho.

quinta-feira, 19 de julho de 2018

O SIGNIFICADO DO BATISMO NA GRANDE COMISSÃO E SUA PRÁTICA NO LIVRO DE ATOS...


Paulo David
Mateus 28:19 Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; 20 Ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos. Amém.
Textos bíblicos: Mc. 16: 15-18; At. 2: 21, 38; At. 22:16; I Co 1:13-17; Ro 6: 1-4, Mt 3:11, Mt 10:32 e 33 ...
-Pregar o Evangelho a toda a criatura;
-Fazei discípulos de todas as nações;
-Batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo;
-Ensinando-os à obedecer;
Estamos de fato, como igreja, cumprindo a grande comissão de Jesus?
Será que não estamos, como muitos, só pregando uma salvação barata, ao invés da verdadeira salvação pela graça? A grande comissão inicia-se com a pregação do verdadeiro evangelho da graça, das boas novas de perdão e salvação que foram conquistadas por Jesus, e somente por ele, na cruz. É preciso que se pregue a Jesus, e este crucificado. Pregar Jesus crucificado implica em levar os novos convertidos a se conformarem à cruz de Cristo, a se tornarem discípulos do Senhor Jesus, ensinando-os à guardar todas as coisas que ele ordenou. Em Mc. 16: 15-18, Jesus disse: "Quem crer e for batizado será salvo". Pedro disse em At. 2:38 "arrependei-vos e sejam batizados em nome de Jesus Cristo para a remissão dos pecados". Mas isso significa que o ato em si do batismo com água tem algum poder para salvar alguém ou redimir os seus pecados? Um rito realizado por homens pode acrescentar algo à salvação? Claro que não é isso que essas passagens querem dizer. Sabemos que o único batismo que nos salva, é o batismo na morte de Jesus na cruz, descrito em Romanos 6: 1 QUE diremos pois? Permaneceremos no pecado, para que a graça abunde?
2 De modo nenhum. Nós, que estamos mortos para o pecado, como viveremos ainda nele?
3 Ou não sabeis que todos quantos fomos batizados em Jesus Cristo fomos batizados na sua morte?
4 De sorte que fomos sepultados com ele pelo batismo na morte; para que, como Cristo foi ressuscitado dentre os mortos, pela glória do Pai, assim andemos nós também em novidade de vida.
Mas então por que do batismo? Por que Jesus incluiu o batismo com água na grande comissão? Em At. 2: 21, Pedro disse, citando a profecia de Joel: "...e aquele que invocar o nome do Senhor será salvo". Jesus disse que devíamos ser batizados em nome do Pai, e do Filho e do Espírito Santo. Pedro e os demais apóstolos batizavam em nome do Senhor Jesus ou em nome de Jesus Cristo, pois os judeus, a quem o evangelho foi primeiramente pregado, precisavam reconhecer que o Senhor Jesus, o Messias prometido, era de fato o próprio Deus, daí os apóstolos entenderem que o nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo, era o nome do Senhor Jesus. Vejam as palavras ditas ao apóstolo Paulo, quando do seu batismo em Atos 22:16: " E agora por que te deténs? Levanta-te, e batiza-te, e lava os teus pecados, invocando o nome do Senhor". Vejam que não era o ato do batismo em si que lavava os pecados, mas o invocar o nome do Senhor. Hoje em dia ao pregarmos, costumamos chamar as pessoas dizendo: "Venham a frente e aceitem a Jesus, queremos orar com vocês". Nos dias dos apóstolos eles diziam: "Arrependei-vos e sede batizados em nome do Senhor Jesus". Era assim que as pessoas recebiam a Jesus nos dias dos apostólos. Era assim que era pregado o evangelho e era assim que se iniciava o discípulado.
Romanos 6 nos ensina que a remissão dos pecados e a nossa salvação aconteceram de fato quando Jesus foi morto na cruz, no batismo da morte de Jesus. Ali todos nós fomos incluídos. É por isso que no batismo bíblico é invocado o nome de Jesus. Ele é o autor e consumador da nossa salvação. Note que não dizemos às pessoas: " Aceite o Pai, o Filho e o Espírito Santo, como seus salvadores, e sim, aceite a Jesus como seu salvador. Não dizemos: "O Pai, o Filho, e o Espírito Santo salvam". Dizemos: "Jesus Salva". Não oramos e nem expulsamos demônios em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo. Oramos e expulsamos demônios em nome de Jesus. É Jesus o nome que está sobre todo o nome, é Jesus o nome que tem poder, poder para salvar, poder para curar e poder para os demônios expulsar, como diz o corinho. E invocamos esse nome porque cremos que Deus é um só e seu nome revelado é Jesus. ALELUIA!
É claro que pessoas podem ser salvas sem o ato do batismo, o ladrão da cruz o foi. Jesus disse a muitos: "Vai, a tua fé te salvou!". Além do mais, se batismo com água fosse essencial para a salvação, o apóstolo Paulo nunca teria dito o que disse em 1 Coríntios 1: 13 a 17:
13. Será que Cristo está dividido? foi Paulo crucificado por amor de vós? ou fostes vós batizados em nome de Paulo? 14. Dou graças a Deus que a nenhum de vós batizei, senão a Crispo e a Gaio; 15. para que ninguém diga que fostes batizados em meu nome. 16. É verdade, batizei também a família de Estéfanas, além destes, não sei se batizei algum outro. 17. Porque Cristo não me enviou para batizar, mas para pregar o evangelho; não em sabedoria de palavras, para não se tornar vã a cruz de Cristo. Ensinar que uma pessoa precisa ser batizada para ter seus pecados redimidos e tornar vã a cruz de Cristo. Por outro lado, se alguém pode ser salvo sem ser batizado com agua, ninguém pode ser salvo sem invocar sobre si o bendito nome do Senhor Jesus. Quem crer e "invocar o nome do Senhor será salvo", é isso que a bíblia ensina. Agora, o que vemos no livro de Atos é que tanto os judeus, como os primeiros gentios, recebiam a Jesus e invocavam o nome do Senhor no ato do batismo, daí a confusão de muitos que interpretam erroneamente as palavras de Pedro em Atos 2:38, passando a acreditar que a remissão dos pecados, a nós de fato outorgada por Jesus, no batismo da morte, seja dada pelo ato do batismo com água. A bíblia deixa claro que a salvação é obra consumada e exclusiva de Jesus Cristo na cruz. Quando cremos em Jesus e invocamos o seu nome pela fé, somos salvos, e sendo salvos, somos por ele batizados com o Espírito Santo, cumprindo as palavras de João Batista em Mateus 3: 11. Eu, na verdade, vos batizo em água, na base do arrependimento; mas aquele que vem após mim é mais poderoso do que eu, que nem sou digno de levar-lhe as alparcas; ele vos batizará no Espírito Santo, e em fogo. Assim a obra de salvação é realizada em Cristo e por Crito. Por isso a grande comissão começa com a pregação das boas novas de graça e perdão. Aqueles que aceitam essa mensagem e recebem ao Senhor como salvador, são chamados ao discípulado, e o discipulado bíblico, inicia-se com o batismo em nome de Jesus. Assim sendo, se é verdade que pessoas podem até ser salvas sem o batismo, para tornar-se discípulo, em obediência, deve ser batizado, pois o batismo é uma confissão pública do Senhorio de Cristo, e o batismo é uma das primeiras ordenanças de Jesus, dada na grande comissão. Se devemos ensinar os já salvos a guardarem todas as coisas que ele nos ordenou, a primeira ordenança é o batismo. Sendo o batismo com água uma confissão pública de arrependimento e fé, um testemunho de ter-se tornado discípulo de Jesus, isso explicaria o porquê deste rito, iniciado por João Batista, com apenas um símbolo de arrependimento, ter sido mantido pelos discípulos de Jesus, e ser incluído pelo próprio Jesus, na Grande Comissão. Mateus 10: 32 Portanto, qualquer que me confessar diante dos homens, eu o confessarei diante de meu Pai, que está nos céus. 33 Mas qualquer que me negar diante dos homens, eu o negarei também diante de meu Pai, que está nos céus.
A grande verdade é que a salvação vai muito além do livramento da culpa e do julgamento e condenação futura, ela implica principalmente em salvar os homens da condição de pecado em que vivem ( A separação espiritual de Deus) que os escraviza ao poder de Satanás, ao engano do mundo, e principalmente, ao egoísmo humano, e isso só se torna possível, quando nos tornamos verdadeiramente, discípulos de Jesus, negando a nós mesmos, tomamos a nossa cruz e seguindo a ele em AMOR e OBEDIÊNCIA. Quando pregamos o evangelho da graça de Deus, com poder, os homens são chamados, não só ao arrependimento, mas também a uma vida de obediência (Discipulado). Estaremos sempre anunciando um falso evangelho, quando este não implicar numa vida de obediência à Cristo, pois estaremos levando os homens a confiar num caminho que não os libertará. A salvação de Jesus é uma obra completa, mas para que ela se torne eficaz na vida das pessoas, precisamos anuncia-la de forma integral. Não basta crer no sangue derramado, é preciso aceitar a cruz onde esse sangue foi derramado. O sangue nos concede perdão dos pecados, mas a cruz é quem trata com o velho homem e nos salva de nós mesmos. Lembremos que antes do pecado entrar no mundo foi o egoísmo de Adão a causa primeira deste, o que o levou a perdição. É preciso tratar com a culpa do pecado pelo sangue de Jesus, mas é preciso, também tratar com o pecador, e isso só através do tomar a cruz a cada dia, Lucas 9:23 "E dizia a todos: Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, e tome cada dia a sua cruz, e siga-me." É por isso que Jesus disse: "Fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome....": "Quem crer e for batizado será salvo...". Nesse sentido sim, o batismo nos salva, pois além de invocar o nome de Jesus, inicia-nos no discípulado, onde o velho homem é tratado e subjugado à obediência de Cristo. Não há outro caminho de salvação plena. A verdadeira salvação implica em FÉ, mas também em consequente OBEDIÊNCIA.
Leiamos novamente Romanos 6 que trata não do batismo com água, mas do BATISMO NA MORTE.
1 QUE diremos pois? Permaneceremos no pecado, para que a graça abunde?
2 De modo nenhum. Nós, que estamos mortos para o pecado, como viveremos ainda nele?
3 Ou não sabeis que todos quantos fomos batizados em Jesus Cristo fomos batizados na sua morte?
4 De sorte que fomos sepultados com ele pelo batismo na morte; para que, como Cristo foi ressuscitado dentre os mortos, pela glória do Pai, assim andemos nós também em novidade de vida.
5 Porque, se fomos plantados juntamente com ele na semelhança da sua morte, também o seremos na da sua ressurreição;
6 Sabendo isto, que o nosso homem velho foi com ele crucificado, para que o corpo do pecado seja desfeito, para que não sirvamos mais ao pecado.
7 Porque aquele que está morto está justificado do pecado.
8 Ora, se já morremos com Cristo, cremos que também com ele viveremos;
9 Sabendo que, tendo sido Cristo ressuscitado dentre os mortos, já não morre; a morte não mais tem domínio sobre ele.
10 Pois, quanto a ter morrido, de uma vez morreu para o pecado; mas, quanto a viver, vive para Deus.
11 Assim também vós considerai-vos como mortos para o pecado, mas vivos para Deus em Cristo Jesus nosso Senhor.
Esse texto nos traz luz sobre a importância e significado do BATISMO COM ÁGUA, pois este torna-se uma confissão pública que já não somos mais escravos do pecado e sim Servos de Cristo.Talvez seja por isso que não vemos tantos sinais verdadeiros em nossos dias. "E esses sinais acompanharão aos que creem: Em meu nome... Falarão novas línguas,... porão as mãos sobre os enfermos e estes serão curados,...expulsarão demônios...." "E receberão o Espírito Santo" At. 2: 38.
A presença de Jesus em nossas vidas pelo batismo do Espírito Santo é outro aspecto importante na salvação. Não podemos nem salvar a nós mesmos nem permanecermos salvos se não for pelo poder de Deus em nossas vidas. O Espírito Santo é o selo de nossa salvação. Sem Ele nunca chegaremos ao céu. É ele quem nos convence do pecado, quando pecamos, e nos leva ao verdadeiro arrependimento. É Ele quem nos ilumina para entendermos a palavra de Deus, É Ele quem nos dá poder para vencer o pecado, o mundo, o diabo, é principalmente, a nós mesmos. É ele que nos dá poder para sermos testemunhas fiéis. É Ele quem imprime em nós a imagem de Jesus, pois Ele mesmo é Jesus em nós.
Uma vida de poder é uma vida de obediência. Não obediência a homens ou a doutrinas de homens, mas obediência à direção do Espírito So. "E estarei convosco todos os dias até a consumação dos séculos" Mt. 28:19.
Resumindo, para sermos salvos, no sentido pleno, é necessário:
1- Crermos no Senhor Jesus e em seu SANGUE derramado por nós, na cruz do calvário;
2- Arrependermos de nossos pecados, invocando o seu NOME e confessando publicamente, pelo batismo com água, que nos conformamos à sua cruz, numa vida de OBEDIÊNCIA;
3- Sermos cheios do ESPÍRITO SANTO.

terça-feira, 17 de julho de 2018

HEBREUS: A GLÓRIA DE CRISTO


“Leia as passagens e os comentários. Fique a vontade para algum questionamento”
Paulo David
Capítulo 1, 2, 3 e 4
TEMA CENTRAL: JESUS É O PRÓPRIO DEUS, MANIFESTO EM SEU FILHO!

PRIMEIRA PARTE:
1.1-JESUS É SUPERIOR AOS PROFETAS, POIS ELE É A PALAVRA DE DEUS!
Hebreus 1: 1 “HAVENDO Deus antigamente falado muitas vezes, e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, a nós falou-nos nestes últimos dias pelo Filho,”
João 1: 1 NO princípio era o Verbo ( A PALAVRA), e o Verbo (A PALAVRA) estava com Deus, e o Verbo ( A PALAVRA) era Deus. 2 Ele estava no princípio com Deus.
João 5:39 “Examinais as Escrituras, porque vós cuidais ter nelas a vida eterna, e são elas que de mim testificam;”
A carta aos hebreus começa com uma importante REVELAÇÃO, Deus que nos falou no Velho Testamento, aos pais, pelos profetas, nos fala HOJE, por intermédio de Jesus. JESUS é a verdadeira palavra de Deus. Os Escribas e Fariseus tinham para eles que as Escrituras continham a vida eterna, que elas eram a Palavra de Deus, mas Jesus em João 5:39 afirmam que as Escrituras apenas apontava para Ele, elas testificavam dele, pois ele sim, era a verdadeira Palavra de Deus. Conhecer a Palavra de Deus é conhecer a Deus que está em Jesus Cristo, nisso esta a vida eterna, João 17:3 “E a vida eterna é esta: que te conheçam, a ti só, por único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste.” Jesus é a chave hermenêutica das Sagradas Escrituras. Não adianta ter as Escrituras e não ter a Palavra. A igreja primitiva não tinha as Escrituras como nós a temos, eles tinham algumas partes do Antigo Testamento, e gradativamente foram recebendo a Palavra, por intermédio dos Apóstolos, através de cartas, dos evangelhos e finalmente do livro do Apocalipse, num entanto, eles recebiam dos apóstolos a Verdadeira Palavra, Atos 2:42 “E perseveravam na doutrina dos apóstolos, e na comunhão, e no partir do pão, e nas orações.”
II Coríntios 2:17 “Porque nós não somos, como muitos, falsificadores da palavra de Deus, antes falamos de Cristo com sinceridade, como de Deus na presença de Deus.”
Colossenses 4:3 “Orando também juntamente por nós, para que Deus nos abra a porta da palavra, a fim de falarmos do mistério de Cristo, pelo qual estou também preso;”
Nessa ultima citação, o apóstolo Paulo relaciona A PALAVRA ao mistério de Cristo, e é justamente sobre isso que a Carta aos hebreus foi escrita, para nos revelar O MISTÉRIO DE CRISTO!
I Timóteo 3:16 “E, sem dúvida alguma, grande é o mistério da piedade: Deus se manifestou em carne, foi justificado no Espírito, visto dos anjos, pregado aos gentios, crido no mundo, recebido acima na glória.”

PARTE 2 :
A SUPERIORIDADE DA PESSOA DE CRISTO
2.1-JESUS É A EXPRESSA IMAGEM DA PESSOA DE DEUS!
Hebreus 1: 2 A quem constituiu herdeiro de tudo, por quem fez também o mundo. 3 O qual, sendo o resplendor da sua glória, e a expressa imagem da sua pessoa, e sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder...

João 1
1 NO princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus.
2 Ele estava no princípio com Deus. 3 Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez.

Colossenses 1: 15 a 17
15 O qual é imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação;
16 Porque nele foram criadas todas as coisas que há nos céus e na terra, visíveis e invisíveis, sejam tronos, sejam dominações, sejam principados, sejam potestades. Tudo foi criado por ele e para ele. 17 E ele é antes de todas as coisas, e todas as coisas subsistem por ele.

2.2-JESUS FOI GERADO, E NÃO CRIADO, PELO PRÓPRIO DEUS E PAI.
Hebreus 1: 4 Feito tanto mais excelente do que os anjos, quanto herdou mais excelente nome do que eles. 5 Porque, a qual dos anjos disse jamais: Tu és meu Filho, Hoje te gerei? E outra vez: Eu lhe serei por Pai, E ele me será por Filho? 6 E outra vez, quando introduz no mundo o primogênito, diz: E todos os anjos de Deus o adorem. 7 E, quanto aos anjos, diz: Faz dos seus anjos espíritos, E de seus ministros labareda de fogo. 8 Mas, do Filho, diz: Ó Deus, o teu trono subsiste pelos séculos dos séculos; Cetro de equidade é o cetro do teu reino. 9 Amaste a justiça e odiaste a iniquidade; por isso Deus, o teu Deus, te ungiu Com óleo de alegria mais do que a teus companheiros. 10 E: Tu, Senhor, no princípio fundaste a terra, E os céus são obra de tuas mãos. 11 Eles perecerão, mas tu permanecerás; E todos eles, como roupa, envelhecerão, 12 E como um manto os enrolarás, e serão mudados. Mas tu és o mesmo, E os teus anos não acabarão. 13 E a qual dos anjos disse jamais: Assenta-te à minha destra, Até que ponha a teus inimigos por escabelo de teus pés? 14 Não são porventura todos eles espíritos ministradores, enviados para servir a favor daqueles que hão de herdar a salvação?

A palavra grega para gerar nessa passagem é Gegenneka, Te (gerei-te) vem do verbo gennaw, que quer dizer, gerar. A forma grega, indicativo perfeito ativo, é encontrada 3 vezes no N.T. : Em Atos 13:33, Heb.1:5 e em Heb. 5:4-5, explicitamente é aplicado à Jesus.
Estas 3 passagens usam a expressão “Tu és Meu Filho, hoje Te gerei” emprestada de Sal. 2:7 (Veja na referência bíblica no rodapé), que é o texto original de onde as 3 passagens tiram a expressão.
Para entendermos como se deu a geração do FILHO DE DEUS, na fundação do mundo, para que por meio dele, e para ele, todas as coisas fossem criadas, precisamos compreender um pouco mais sobre a natureza do próprio Deus. Deus, como afirmou Karl Barth, grande teólogo do século passado, é em sua forma e essência divina “O TOTALMENTE OUTRO”, GLORIOSO, INFINITO e ETERNO, Deus é o grande “EU SOU”, e portanto, incompatível com aquilo que é existencial e criatura, material e temporal. Assim, para criar e sustentar todas as coisas, foi preciso que Deus primeiramente saísse de Deus, e assumisse uma dimensão que lhe permitisse criar sem destruir o que fora criado, tornando-se EMANENTE à sua própria criação. Deus em seu filho torna-se O ESPÍRITO DE DEUS.
Gênesis 1: 1 NO princípio criou Deus os céus e a terra.2 E a terra era sem forma e vazia; e havia trevas sobre a face do abismo; e o Espírito de Deus se movia sobre a face das águas.
“Tu és meu Filho, Hoje te gerei”. A geração do Filho de Deus, deu-se exatamente no início do tempo, sendo essa de fato, o início do tempo, daí esse Filho gerado ser chamado em Colossenses de “Primogênito de toda a criação” e em Apocalipse 3:14 de “ O princípio da criação de Deus”.
Esse Filho é identificado no Velho Testamento como o próprio Deus pois, ao contrário de nós seres humanos que nascemos de um pai e de uma mãe, trazendo características de ambos, e sendo assim uma pessoa totalmente distinta deles, o Filho de Deus foi gerado pelo próprio Deus, sendo a exata imagem de sua própria pessoa. É por isso que a chamada “DOUTRINA DA TRINDADE” torna-se uma concepção substancialmente errônea sobre a pessoa de Deus, pois concebe um Deus ainda que único em essência, formado por três pessoas igualmente eternas, mas totalmente distintas, o que faria deste de fato, três deuses, e não um só. Além do mais é muito contraditória a ideia de um FILHO ETERNO, pois se o filho fosse eterno, não poderia ser filho de forma alguma. Por outro lado, no UNICISMO CLÃSSICO, erra-se não se fazendo distinção, de nenhuma forma real, das pessoas do Pai e do Filho, acabando com isso, pela negação, tanto de uma verdadeira geração, como de uma verdadeira encarnação do filho de Deus. Mas então como entender o Filho de Deus?
PARTE 3:
AS ESCRITURAS FALAM DE DOIS “NASCIMENTOS” DO FILHO DE DEUS:
NO PRINCÍPIO, NO INICIO DO TEMPO,
E NA ENCARNAÇÃO, NA PLENITUDE DOS TEMPOS.
3.1-NO PRINCÍPIO:
“ELE ESTAVA NO PRINCÍPIO COM DEUS”
Colossenses 1:15 “O qual é imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação; “
João 1: 1 NO princípio era o Verbo ( A PALAVRA), e o Verbo (A PALAVRA) estava com Deus, e o Verbo ( A PALAVRA) era Deus. 2 Ele estava no princípio com Deus.
João 3: 16 “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.”

3.2-NA ENCARNAÇÃO:
“E O VERBO SE FEZ CARNE”
João 1: 14 “E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade.

Gálatas 4:4 “Mas, vindo a plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei,”
Lucas 1:35 “E, respondendo o anjo, disse-lhe: Descerá sobre ti o Espírito Santo, e a virtude do Altíssimo te cobrirá com a sua sombra; por isso também o Santo, que de ti há de nascer, será chamado Filho de Deus.
Mateus 1:23 “Eis que a virgem conceberá, e dará à luz um filho, E chamá-lo-ão pelo nome de EMANUEL, Que traduzido é: Deus conosco.”
Hebreus 1: 5 Porque, a qual dos anjos disse jamais: Tu és meu Filho, Hoje te gerei? E outra vez: Eu lhe serei por Pai, E ele me será por Filho? 6 E outra vez, quando introduz no mundo o primogênito, diz: E todos os anjos de Deus o adorem.
Já procuramos explicar porque o Filho de Deus foi gerado no princípio, mas precisamos também entender do porquê de sua ENCARNAÇÃO.

PARTE 4:
O PROPÓSITO ETERNO DO NASCIMENTO DO FILHO DE DEUS, DA ENCARNAÇÃO E DA MORTE DE JESUS NA CRUZ...
4.1-A CRUZ ANTES DA CRUZ:
O CORDEIRO FOI MORTO DESDE A FUNDAÇÃO DO MUNDO

Romanos 16: 25 Ora, àquele que é poderoso para vos confirmar segundo o meu evangelho e a pregação de Jesus Cristo, conforme a revelação do mistério que desde tempos eternos esteve oculto, 26 Mas que se manifestou agora, e se notificou pelas Escrituras dos profetas, segundo o mandamento do Deus eterno, a todas as nações para obediência da fé;
Hebreus 2:1 PORTANTO, convém-nos atentar com mais diligência para as coisas que já temos ouvido, para que em tempo algum nos desviemos delas. 2 Porque, se a palavra falada pelos anjos permaneceu firme, e toda a transgressão e desobediência recebeu a justa retribuição, 3 Como escaparemos nós, se não atentarmos para uma tão grande salvação, a qual, começando a ser anunciada pelo Senhor, foi-nos depois confirmada pelos que a ouviram; 4 Testificando também Deus com eles, por sinais, e milagres, e várias maravilhas e dons do Espírito Santo, distribuídos por sua vontade? 5 Porque não foi aos anjos que sujeitou o mundo futuro, de que falamos. 6 Mas em certo lugar testificou alguém, dizendo: Que é o homem, para que dele te lembres? Ou o filho do homem, para que o visites? 7 Tu o fizeste um pouco menor do que os anjos, De glória e de honra o coroaste, E o constituíste sobre as obras de tuas mãos; 8 Todas as coisas lhe sujeitaste debaixo dos pés. Ora, visto que lhe sujeitou todas as coisas, nada deixou que lhe não esteja sujeito. Mas agora ainda não vemos que todas as coisas lhe estejam sujeitas. 9 Vemos, porém, coroado de glória e de honra aquele Jesus que fora feito um pouco menor do que os anjos, por causa da paixão da morte, para que, pela graça de Deus, provasse a morte por todos. 10 Porque convinha que aquele, para quem são todas as coisas, e mediante quem tudo existe, trazendo muitos filhos à glória, consagrasse pelas aflições o príncipe da salvação deles. 11 Porque, assim o que santifica, como os que são santificados, são todos de um; por cuja causa não se envergonha de lhes chamar irmãos, 12 Dizendo: Anunciarei o teu nome a meus irmãos, Cantar-te-ei louvores no meio da congregação. 13 E outra vez: Porei nele a minha confiança. E outra vez: Eis-me aqui a mim, e aos filhos que Deus me deu. 14 E, visto como os filhos participam da carne e do sangue, também ele participou das mesmas coisas, para que pela morte aniquilasse o que tinha o império da morte, isto é, o diabo; 15 E livrasse todos os que, com medo da morte, estavam por toda a vida sujeitos à servidão. 16 Porque, na verdade, ele não tomou os anjos, mas tomou a descendência de Abraão. 17 Por isso convinha que em tudo fosse semelhante aos irmãos, para ser misericordioso e fiel sumo sacerdote naquilo que é de Deus, para expiar os pecados do povo. 18 Porque naquilo que ele mesmo, sendo tentado, padeceu, pode socorrer aos que são tentados.

Apocalipse 13:8 “E adoraram-na todos os que habitam sobre a terra, esses cujos nomes não estão escritos no livro da vida do Cordeiro que foi morto desde a fundação do mundo.”
As Escrituras afirmam que o Cordeiro de Deus, que é o Filho de Deus, foi morto desde a fundação do mundo, dando a entender que a morte do Cordeiro de Deus está relacionada ao nascimento do Filho de Deus. Houve um sacrifício no início da criação. Houve uma cruz antes da cruz. Deus, para criar todas as coisas, precisou sair de si mesmo, este foi o nascimento do Filho na eternidade. Da mesma forma, para se tornar conhecido por todas as suas criaturas, e tornar conhecido o seu eterno propósito, foi necessário que o Filho de Deus, esvaziasse ainda mais de sua glória, dessa vez, totalmente e definitivamente de sua condição divina, tornando-se um homem. Também era preciso que o pecado do primeiro Adão fosse pago por um homem, a semelhança do primeiro Adão, mas sem pecado.

Filipenses 2: 5 De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, 6 Que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus, 7 Mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens; 8 E, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte, e morte de cruz. 9 Por isso, também Deus o exaltou soberanamente, e lhe deu um nome que é sobre todo o nome; 10 Para que ao nome de Jesus se dobre todo o joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra, 11 E toda a língua confesse que Jesus Cristo é o SENHOR, para glória de Deus Pai.
I Coríntios 15: 45 Assim está também escrito: O primeiro homem, Adão, foi feito em alma vivente; o último Adão em espírito vivificante. 46 Mas não é primeiro o espiritual, senão o natural; depois o espiritual. 47 O primeiro homem, da terra, é terreno; o segundo homem, o SENHOR, é do céu.
Somente um homem sem pecado poderia se oferecer em resgate de todos os homens, pois encontramos em todo o Velho Testamento e em Hebreus 9:22
“E quase todas as coisas, segundo a lei, se purificam com sangue; e sem derramamento de sangue não há remissão.’ Como Deus Jesus não poderia derramar sua vida em nosso lugar.

Romanos 5: 12 Portanto, como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os homens por isso que todos pecaram. 13 Porque até à lei estava o pecado no mundo, mas o pecado não é imputado, não havendo lei. 14 No entanto, a morte reinou desde Adão até Moisés, até sobre aqueles que não tinham pecado à semelhança da transgressão de Adão, o qual é a figura daquele que havia de vir. 15 Mas não é assim o dom gratuito como a ofensa. Porque, se pela ofensa de um morreram muitos, muito mais a graça de Deus, e o dom pela graça, que é de um só homem, Jesus Cristo, abundou sobre muitos. 16 E não foi assim o dom como a ofensa, por um só que pecou. Porque o juízo veio de uma só ofensa, na verdade, para condenação, mas o dom gratuito veio de muitas ofensas para justificação.
4.2-NA CRUZ, DEUS COMO HOMEM, VENCEU O DIABO!
João 12: 31 Agora é o juízo deste mundo; agora será expulso o príncipe deste mundo. 32 E eu, quando for levantado da terra, todos atrairei a mim. 33 E dizia isto, significando de que morte havia de morrer.
Hebreus 2: 14 E, visto como os filhos participam da carne e do sangue, também ele participou das mesmas coisas, para que pela morte aniquilasse o que tinha o império da morte, isto é, o diabo; 15 E livrasse todos os que, com medo da morte, estavam por toda a vida sujeitos à servidão. 16 Porque, na verdade, ele não tomou os anjos, mas tomou a descendência de Abraão. 17 Por isso convinha que em tudo fosse semelhante aos irmãos, para ser misericordioso e fiel sumo sacerdote naquilo que é de Deus, para expiar os pecados do povo. 18 Porque naquilo que ele mesmo, sendo tentado, padeceu, pode socorrer aos que são tentados.
Apocalipse 12: 7 E houve batalha no céu; Miguel e os seus anjos batalhavam contra o dragão, e batalhavam o dragão e os seus anjos; 8 Mas não prevaleceram, nem mais o seu lugar se achou nos céus. 9 E foi precipitado o grande dragão, a antiga serpente, chamada o Diabo, e Satanás, que engana todo o mundo; ele foi precipitado na terra, e os seus anjos foram lançados com ele. 10 E ouvi uma grande voz no céu, que dizia: Agora é chegada a salvação, e a força, e o reino do nosso Deus, e o poder do seu Cristo; porque já o acusador de nossos irmãos é derrubado, o qual diante do nosso Deus os acusava de dia e de noite. 11 E eles o venceram pelo sangue do Cordeiro e pela palavra do seu testemunho; e não amaram as suas vidas até à morte.
PARTE 5
JESUS É SUPERIOR A MOISÉS
5.1-A CASA DE DEUS, QUE SOMOS NÓS, PERTECE À JESUS!
Hebreus 3:1 POR isso, irmãos santos, participantes da vocação celestial, considerai a Jesus Cristo, apóstolo e sumo sacerdote da nossa confissão, 2 Sendo fiel ao que o constituiu, como também o foi Moisés em toda a sua casa. 3 Porque ele é tido por digno de tanto maior glória do que Moisés, quanto maior honra do que a casa tem aquele que a edificou. 4 Porque toda a casa é edificada por alguém, mas o que edificou todas as coisas é Deus. 5 E, na verdade, Moisés foi fiel em toda a sua casa, como servo, para testemunho das coisas que se haviam de anunciar; 6 Mas Cristo, como Filho, sobre a sua própria casa; a qual casa somos nós, se tão somente conservarmos firme a confiança e a glória da esperança até ao fim.
Enquanto que Moisés foi um servo fiel na casa de Deus, Jesus é o próprio Senhor desta casa, e esta casa som os nós.

5.2 UM CORAÇÃO MAU E INFIEL E O PROBLEMA DA INCREDULIDADE
Essa passagem é a chave para entendermos sobre a fé e a perseverança dos eleitos de Deus, que é tratado no início do capítulo 6 de Hebreus. Voltaremos a esta passagem quando estudarmos o capítulo 5, 6 e 7.
Hebreus 3: 7 Portanto, como diz o Espírito Santo: Se ouvirdes hoje a sua voz, 8 Não endureçais os vossos corações, Como na provocação, no dia da tentação no deserto. 9 Onde vossos pais me tentaram, me provaram, E viram por quarenta anos as minhas obras. 10 Por isso me indignei contra esta geração, E disse: Estes sempre erram em seu coração, E não conheceram os meus caminhos. 11 Assim jurei na minha ira Que não entrarão no meu repouso. 12 Vede, irmãos, que nunca haja em qualquer de vós um coração mau e infiel, para se apartar do Deus vivo. 13 Antes, exortai-vos uns aos outros todos os dias, durante o tempo que se chama Hoje, para que nenhum de vós se endureça pelo engano do pecado; 14 Porque nos tornamos participantes de Cristo, se retivermos firmemente o princípio da nossa confiança até ao fim. 15 Enquanto se diz: Hoje, se ouvirdes a sua voz, Não endureçais os vossos corações, como na provocação. 16 Porque, havendo-a alguns ouvido, o provocaram; mas não todos os que saíram do Egito por meio de Moisés.17 Mas com quem se indignou por quarenta anos? Não foi porventura com os que pecaram, cujos corpos caíram no deserto? 18 E a quem jurou que não entrariam no seu repouso, senão aos que foram desobedientes? 19 E vemos que não puderam entrar por causa da sua incredulidade.
PARTE 6

6.1-JESUS É O INÍCIO E O FIM DO PROPÓSITO DE DEUS,
ELE É O NOSSO DESCANSO, ELE É O SÁBADO DE DEUS!
Jesus não só é o princípio de tudo o que foi criado, mas também é a finalidade de toda a criação. Ele é o Logos, a razão de todas as coisas...nos céus e na terra.

Efésios 1: 10 De tornar a congregar em Cristo todas as coisas, na dispensação da plenitude dos tempos, tanto as que estão nos céus como as que estão na terra;
Mateus 11:28 “Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei.”
Hebreus 4 : 1 TEMAMOS, pois, que, porventura, deixada a promessa de entrar no seu repouso, pareça que algum de vós fica para trás. 2 Porque também a nós foram pregadas as boas novas, como a eles, mas a palavra da pregação nada lhes aproveitou, porquanto não estava misturada com a fé naqueles que a ouviram. 3 Porque nós, os que temos crido, entramos no repouso, tal como disse: Assim jurei na minha ira Que não entrarão no meu repouso; embora as suas obras estivessem acabadas desde a fundação do mundo. 4 Porque em certo lugar disse assim do dia sétimo: E repousou Deus de todas as suas obras no sétimo dia. 5 E outra vez neste lugar: Não entrarão no meu repouso. 6 Visto, pois, que resta que alguns entrem nele, e que aqueles a quem primeiro foram pregadas as boas novas não entraram por causa da desobediência, Hebreus 4: 7 Determina outra vez um certo dia, Hoje, dizendo por Davi, muito tempo depois, como está dito: Hoje, se ouvirdes a sua voz, Não endureçais os vossos corações. 8 Porque, se Josué lhes houvesse dado repouso, não falaria depois disso de outro dia. 9 Portanto, resta ainda um repouso para o povo de Deus. 10 Porque aquele que entrou no seu repouso, ele próprio repousou de suas obras, como Deus das suas. 11 Procuremos, pois, entrar naquele repouso, para que ninguém caia no mesmo exemplo de desobediência.

quarta-feira, 27 de junho de 2018

ANTES QUE ABRAÃO EXISTISSE, EU SOU!

Paulo David
Êxodo 3:14 [2] “E disse Deus a Moisés: EU SOU O QUE SOU. Disse mais: Assim dirás aos filhos de Israel: EU SOU me enviou a vós.”
João 8: 53 És tu maior do que o nosso pai Abraão, que morreu? E também os profetas morreram. Quem te fazes tu ser? 54 Jesus respondeu: Se eu me glorifico a mim mesmo, a minha glória não é nada; quem me glorifica é meu Pai, o qual dizeis que é vosso Deus. 55 E vós não o conheceis, mas eu conheço-o. E, se disser que o não conheço, serei mentiroso como vós; mas conheço-o e guardo a sua palavra. 56 Abraão, vosso pai, exultou por ver o meu dia, e viu-o, e alegrou-se. 57 Disseram-lhe, pois, os judeus: Ainda não tens cinquenta anos, e viste Abraão? 58 Disse-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo que antes que Abraão existisse, eu sou. 59 Então pegaram em pedras para lhe atirarem; mas Jesus ocultou-se, e saiu do templo, passando pelo meio deles, e assim se retirou.
Em João 8: 53 a 59, os Escribas e Fariseus indagaram a Jesus sobre a origem de sua autoridade. Naquele momento Jesus fez uma declaração tão impactante, que fez com que aqueles pegassem em pedras para apedrejá-lo. Jesus lhes respondeu: “Antes que Abraão existisse, Eu sou!”, note que ele não disse que antes que Abraão existisse, ele era, Ele disse antes que Abraão existisse, Eu sou! Eu sou era uma expressão conhecida dos Escribas e fariseus, pois ela encontra-se nas Escrituras Sagradas, é aparece pela primeira vez em Êxodo 3: 14, quando Deus falou com Moisés na sarça ardente. Naquela ocasião, indagado por Moisés sobre seu nome, pois Moisés queria saber o nome daquele que o estava enviando, para que pudesse anunciar a sua Palavra aos filhos de Israel. Ali ele recebe a seguinte resposta: “E disse Deus a Moisés: EU SOU O QUE SOU. Disse mais: Assim dirás aos filhos de Israel: EU SOU me enviou a vós.” Essas palavras ditas a Moisés são tão exclusivas ao próprio Deus, que os Judeus até hoje quando leem essa passagem, não pronunciam essa expressão, eles a substituem pela palavra Adonai, que quer dizer O SENHOR! Isso eles fazem por acreditarem que só Deus, o único Deus verdadeiro, pode afirmar ser o EU SOU! Mas por que? Porque "Eu Sou" é uma expressão que nos revela um atributo que só a Deus pertence, a ETERNIDADE. Ele é O ETERNO. Sim só Deus é eterno. Ele não tem começo de dias nem fim de existência. Todos os demais seres, nos céus e na terra, anjos e homens, foram dado a imortalidade, mas não são seres eternos. Só Deus é eterno. Jesus, ao usar para si essa expressão, tomava para si um atributo que só pertence a Deus. Jesus sabia de onde viera, qual a sua origem.
Hebreus 1:5 ""Porque, a qual dos anjos disse jamais: Tu és meu Filho, Hoje te gerei? E outra vez: Eu lhe serei por Pai, E ele me será por Filho?"
Hebreus 1:13 "E a qual dos anjos disse jamais: Assenta-te à minha destra, Até que ponha a teus inimigos por escabelo de teus pés?" Caso ele fosse tão somente um homem ou uma criatura celestial, mesmo a primeira das criaturas, como ensinam alguns, tais como as Testemunhas de Jeová ou os Adventistas bereanos, ele, no máximo, poderia ter dito: “Antes que Abraão existisse, eu já existia!, mas não, Jesus, tomando para si a prerrogativa divina, disse: “EU SOU !” Isso era inaceitável para aqueles religiosos judeus, como o é também, para muitos os religiosos de nosso tempo. Muito já foi feito para tentar explicar a origem do homem Jesus, de maneira a enfraquecer esta e outras declarações sobre ele, que o iguala a Deus. No terceiro século, no Concílio de Nicéia, a recém fundada igreja Católica formulou uma doutrina para tentar explicar a origem divina de Jesus, a doutrina da TRINDADE. Esta afirma, grosso modo, ser Deus um único Deus em substância, mas existindo em três pessoas distintas. Jesus seria uma dessas pessoas, o Deus filho. Mas como uma pessoa divina, infinita e eterna, pode coexistir com outros duas pessoas também infinitas e eternas? Onde acaba uma pessoa, para começar a outra? Isso sem falar no absurdo e incoerência de se acreditar que a segunda pessoa, é filha da primeira, sem nunca ter nascido dessa, pois nessa doutrina, concebe-se a ideia de um filho eterno que nunca nasceu, mas que sempre existiu como filho. Um exame ao todo das Escrituras é suficiente para detectar as contradições desse ensino, a começar pelo fato de não encontrarmos nenhuma passagem onde Jesus é chamado de "Deus filho", o que encontramos é a expressão "filho de Deus". De fato Deus não poderia ser um, no sentido que as Escrituras dão quando afirma haver um único Deus, e ao mesmo tempo ser uma trindade de pessoas, nem pela lógica racional, nem pela coerência de uma confissão de fé verdadeiramente monoteísta. Mas não são só os trinitarianos que tropeçam nessa questão, muitos teólogos UNICISTAS, no intuito de "defender" a fé monoteísta, e ao mesmo tempo a plena Divindade de Jesus, o fazem muitas vezes à custa da negação da distinção entre as pessoas, de Deus, o Pai, e a de Jesus, o filho de Deus, e isso eles fazem, negando uma verdadeira humanidade à Jesus, bem como a sua total dependência em relação ao Pai. Nesse aspectos eles acabam reproduzindo o ensino trinitariano, afirmando que Jesus na encarnação, conservara sua natureza e atributos divinos, sendo nessa condição encarnada, tanto Deus, como homem. Assim na encarnação, Jesus teria, tão somente, assumido uma natureza a mais, a humana, não sendo de fato um homem como os demais homens, uma espécie de Super Homem com super poderes. Para esses unicistas, Jesus não saiu de fato do Pai, ele era o Pai, o Pai vestido de uma natureza humana, Deus em um corpo humano. Assim quando Jesus orava, ele falava consigo mesmo, e quando confessava sua total dependência em relação ao Pai, o fazem mentiroso, já que para eles o filho e o Pai continuavam sendo a mesma pessoa. Mas então como resolver essa questão? Jesus é Deus ou não é? Se é, era humano ou não? O que as Escrituras verdadeiramente ensinam sobre Jesus? A questão principal continua sendo a de que como Jesus poderia ser verdadeiramente Deus, e também verdadeiramente homem? A resposta para essa aparente dificuldade e aparente contradição, está numa correta compreensão da Economia de Deus, ou seja, em como Deus se revela progressivamente à humanidade, bem como, revela seu eterno propósito ao criar o homem, e num correto entendimento do que aconteceu de fato na encarnação, e do custo dessa, para o Nosso Senhor Jesus, tudo isso para que fosse realizado o plano de Deus no cumprimento de seu eterno propósito. Em Filipenses 2, Paulo explica de forma clara que na encarnação, Jesus teve que deixar definitivamente com Deus, sua natureza e atributos divinos, para assumir a condição humana, e isso só já seria suficiente para distingui-lo da condição totalmente divina de seu Pai, separando as duas pessoas, a divina do Pai e a humana do filho. Mais esse esvaziamento e separação não iniciou-se na encarnação, mas no princípio, no tempo início da criação de todas as coisas. Em Apocalipse encontramos que o Cordeiro de Deus, foi morto desde a fundação do mundo, e esta afirmação relaciona-se ao nascimento do filho de Deus e a criação de todas as coisas. Sim, Jesus teve que deixar o Pai para criar todas as coisas. O nascimento do filho de Deus foi à cruz, antes da cruz. Deus em sua Natureza e Poder, o Pai, como Jesus o chamava, é um ser glorioso, que transcende totalmente à sua propria criação. Sua natureza eterna não é apenas in-contemplável, mas também incompatível com tudo o seria criado, tudo o que seria finito e temporal. Ele é “O TOTALMENTE OUTRO”, como afirmou Karl Barth, o grande teólogo do séc. XX, o “FOGO CONSUMIDOR”, ao qual as escrituras se refere. Por isso ninguém pode ver a Deus em sua forma e dimensão Divina. Nessa condição, Deus não poderia criar tudo o que veio a existência, sem ao mesmo tempo destruir sua criação, pela condição de sua própria natureza. Por isso Ele teve que sair de si mesmo para criar a dimensão do tempo e do espaço, e se manifestar nessa dimensão, numa forma e natureza cabível em relação à sua criação. Ao sair do Pai, Jesus nasce como o Logos, a PALAVRA, o Espírito de Deus, seu nascimento pode ter sido o Big Bang, criando tudo o que foi criado. O nascimento de Jesus se deu quando ele saiu e deixou o Pai. A isso a bíblia chama de "O PRINCÍPIO", Ele saiu de seu Pai, para criar todas as coisas. Por isso as escrituras afirmam que tudo foi criado e feito por ele, nele, e para ele. Ele é o Alfa e o Ômega. É por isso que Jesus afirma que ninguém jamais viu e conheceu o Pai, senão o Filho. JESUS na eternidade era e estava no Pai, e entre o tempo e a eternidade, foi concebido pelo Pai, para criar todas as coisas criadas, e no tempo oportuno, estabelecido por Deus, na chamada plenitude dos tempos, tornar-se-ia o filho do homem. Por isso Jesus podia referir-se a si mesmo como o Eu Sou, e ao contrário de nós humanos, que nascemos de duas pessoas, tornando-nos assim uma terceira, totalmente diferente das outras duas, Jesus saiu de uma única pessoa, tornando-se um outro, porém exatamente igual ao que o gerou, igual a Deus, o seu Pai. Jesus traz a exata imagem do ser de Deus. A geração de Jesus, foi literalmente Deus saindo de Deus, para tornar-se a PALAVRA DE DEUS, João capítulo 1.
Hebreus 1:3 “O qual, sendo o resplendor da sua glória, e a expressa imagem da sua pessoa, e sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder, havendo feito por si mesmo a purificação dos nossos pecados, assentou-se à destra da majestade nas alturas;”
Mas haveria um segundo nascimento, que aproximaria definitivamente, Deus e os homens. Encontramos isso em João1:14, quando A Palavra, que estava com Deus e que era Deus, se fez carne, tornando-se o homem Jesus. Para isso Jesus teve que se esvaziar definitivamente de sua glória, deixando com o Pai seus atributos divinos para se tornar o totalmente homem, assim revelando à sua criação, O GRANDE AMOR DE DEUS. Não foi um anjo que Deus enviou para morrer em nosso lugar, mas foi seu próprio filho, que no caso específico de Deus, era Ele mesmo. Sim, de fato Jesus foi o próprio Deus dando sua vida e morrendo em nosso lugar, e isso, desde a fundação do mundo, quando deixou o Pai.
Filipenses 2: 5 De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, 6 Que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus, 7 Mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens; 8 E, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte, e morte de cruz. 9 Por isso, também Deus o exaltou soberanamente, e lhe deu um nome que é sobre todo o nome; 10 Para que ao nome de Jesus se dobre todo o joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra, 11 E toda a língua confesse que Jesus Cristo é o SENHOR, para glória de Deus Pai.
Assim Deus se aproximou de nós, pois o homem Jesus, ao ser glorificado por Deus, pode derramar sobre nós o seu Espírito e fazer de sua igreja, sua morada para sempre.
Efésios 5:25 “Vós, maridos, amai vossas mulheres, como também Cristo amou a igreja, e a si mesmo se entregou por ela,”
Efésios 5: 31 Por isso deixará o homem seu pai e sua mãe, e se unirá a sua mulher; e serão dois numa carne. 32 Grande é este mistério; digo-o, porém, a respeito de Cristo e da igreja.
II Coríntios 8:9 “Porque já sabeis a graça de nosso Senhor Jesus Cristo que, sendo rico, por amor de vós se fez pobre; para que pela sua pobreza enriquecêsseis”